Dólar fecha em alta com pior gasto do governo, mas cai 2,8% em fevereiro

A moeda norte-americana subiu 0,88%, para R$ 2,345.

O dólar fechou em alta em relação ao real nesta sexta-feira (28), após o governo divulgar uma queda no superávit primário de janeiro, jogando água fria no otimismo trazido pela divulgação da nova meta fiscal para 2014 na semana passada.

Outro fator que influenciou a alta da moeda foi a formação da taxa que serve de referência para a liquidação de diversos contratos cambiais, a Ptax, que traz volatilidade no mercado, segundo especialistas.

A moeda norte-americana subiu 0,88%, para R$ 2,345.

No mês de fevereiro, a moeda acumulou queda de 2,79% sobre o real.

Parte significativa desse recuo é atribuída, por analistas, à trégua no pessimismo em relação ao Brasil depois que a nova meta fiscal do governo para este ano foi considerada mais plausível pelo mercado.

"A pressão nos mercados tinha dado uma boa aliviada desde a história do fiscal, mas o número de hoje lança dúvidas sobre esse compromisso", disse à Reuters o economista-chefe da INVX Global, Eduardo Velho, referindo-se ao compromisso firmado pelo governo na semana passada de entregar um superávit primário de 1,9% do produto interno bruto este ano.

Nesta sexta-feira, no entanto, o governo central, que também inclui o Banco Central e a Previdência, divulgou um superávit de R$ 12,954 bilhões em janeiro, metade do valor registrado no mesmo mês do ano anterior.

Nesta sessão, a moeda também foi influenciada pela formação da Ptax de fevereiro, taxa calculada pelo BC que serve de referência para diversos contratos cambiais.

"Hoje é dia de Ptax. Esse começo de dia vai ser briga de comprado com vendido", disse à Reuters o especialista em câmbio da corretora Icap, Italo Abucater.

Intervenção

A alta ocorreu mesmo com a constante intervenção do BC no câmbio. Nesta sessão, a autoridade monetária fez leilão de venda de até US$ 1,8 bilhão com compromisso de recompra em 5 de maio. A autoridade monetária aceitou propostas e a taxa de recompra ficou em R$ 2,360860.

Além disso, vendeu a oferta total de até 4 mil swaps cambiais --equivalentes a venda futura de dólares-- em suas atuações diárias. Foram 500 contratos para 1º de agosto e 3,5 mil contratos para 1º de dezembro deste ano, com volume equivalente a US$ 197,9 milhões.

Fonte: G1