Dólar sobe ante real, depois de cair abaixo de R$ 2,15 em 4 meses

Dólar sobe ante real, depois de cair abaixo de R$ 2,15 em 4 meses

Perto das 14h, o dólar avançava 0,24%, a R$ 2,1644 na venda, depois de atingir R$ 2,1474 na mínima do dia.

O dólar operava em alta ante o real nesta sexta-feira (18), num movimento técnico após cair abaixo de R$ 2,15 na venda pela primeira vez em mais de quatro meses.

Perto das 14h, o dólar avançava 0,24%, a R$ 2,1644 na venda, depois de atingir R$ 2,1474 na mínima do dia. Na sessão anterior, a divisa caiu 0,70%, para R$ 2,1593, o menor nível de fechamento desde 14 de junho.

"No fundo, com o dólar chegando abaixo de R$ 2,15, o mercado começa a se defender", afirmou economista-chefe do Espírito Santo Investment Bank, Jankiel Santos.

Apesar da alta desta sessão, a moeda norte-americana vem perdendo força em relação ao real desde que o Banco Central anunciou o programa de intervenções diárias no mercado de câmbio previsto para durar até o fim deste ano. Desde 22 de agosto, dia do anúncio, a divisa já acumula queda superior a 11%.

O BC realiza mais uma intervenção ao vender US$ 1 bilhão com compromisso de recompra em 2 de julho de 2014.

De olho no Fed

Além do fôlego que a intervenção do BC dá à queda do dólar ante o real, a expectativa de investidores sobre a manutenção do ritmo de compra de ativos pelo Federal Reserve em US$ 85 bilhões mensais criou um ambiente favorável ao real na primeira hora do pregão. O programa do BC dos Estados Unidos é responsável pelo aumento da liquidez nos mercados mundiais.

Analistas acreditam que o Fed vai manter o tamanho do estímulo monetário diante as incertezas fiscais no país, já que o acordo entre democratas e republicanos para por um fim à paralisação do governo dos Estados Unidos e elevar o teto da dívida é apenas temporário.

O acordo prevê que o financiamento do governo será mantido até 15 de janeiro e o aumento da possibilidade de financiamento do país se estenderá até 7 de fevereiro, quando os norte-americanos correm o risco de enfrentar uma nova disputa política.

"Em função do acordo transitório nos EUA e da expectativa de que a retirada de estímulos do Fed será adiada, o mercado espera que fluxo em países emergentes será melhor", disse economista-chefe da INVX Global, Eduardo Velho.

Também contribuiu com a queda do início do pregão o crescimento da economia da China entre julho e setembro no ritmo mais rápido deste ano também aumentou o apetite de investidores ao risco. A segunda maior economia do mundo cresceu 7,8% no terceiro trimestre na comparação com o mesmo período de um ano antes, em linha com o esperado.

"Um crescimento melhor da China, de certa maneira reduz a aversão ao risco e mantém o dólar mais baixo", acrescentou Velho, INVX Global.

Fonte: G1