Donos de bares e restaurantes ficam com 35% das gorjetas que são dadas aos garçons

Donos de bares e restaurantes ficam com 35% das gorjetas que são dadas aos garçons

o dinheiro seria usado para bancar prejuízos comuns do dia a dia – como copos e pratos quebrados e talheres danificados

A associação de bares e restaurantes informou ao R7 que existe um acordo com os trabalhadores do setor para passar 35% do que se arrecada com gorjetas para o caixa do estabelecimento. O sindicato dos garçons e empregados do setor reconheceu que a prática é comum na regiõe metropolitana de São Paulo.

De acordo com a Abrasel-SP (braço da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em São Paulo), o dinheiro seria usado para bancar prejuízos comuns do dia a dia ? como copos e pratos quebrados e talheres danificados. Além disso, o repasse seria uma ?pressão? para o garçom conservar os materiais da empresa, diz o diretor jurídico da entidade, Percival Maricato.

O presidente do Sinthoresp (Sindicato dos Trabalhadores em Hospedagem e Gastronomia de São Paulo), Francisco Lacerda, alega que a parceria realmente existe, mas considera abusiva a quantia no caso de empresas menores.

- Depois de vários debates, chegamos a admitir o repasse dos 35% do que é arrecadado para os estabelecimentos. Mas no caso das empresas menores, 35% é muito dinheiro. Existe um projeto de lei no Congresso que limita o repasse a 20% do total.

Vale lembrar que o consumidor não é obrigado a pagar os 10% do garçom. Segundo Maricato, ?a gorjeta é uma tradição mundial. É espontânea e premia a eficiência e a gentileza do garçom?.

Fonte: r7