Economistas elevam projeção do PIB e reduzem Selic para o Brasil em 2014

Pesquisa Focus do BC mostrou que a expectativa para a Selic neste ano foi reduzida a 11,13% na mediana das projeções

Economistas de instituições financeiras melhoraram um pouco as expectativas sobre o crescimento da economia brasileira neste ano, ao mesmo tempo em que reduziram a perspectiva de aperto monetário após o Banco Central ter desacelerado o ritmo na semana passada.

Pesquisa Focus do BC divulgada nesta quarta-feira mostrou que a expectativa para a Selic neste ano foi reduzida a 11,13% na mediana das projeções, frente a 11,25% na pesquisa anterior.

Na semana passada, o BC elevou a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, para 10,75%, reduzindo o ritmo de aperto monetário. Nas últimas reuniões, os aumentos na Selic haviam sido de 0,5 ponto percentual cada.

De acordo com o Focus, os economistas veem nova elevação de 0,25 ponto percentual na Selic em abril, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reúne novamente, e reduziram as apostas em nova alta em dezembro, a 0,13 ponto percentual segundo a mediana das expectativas.

Já o Top-5 de médio prazo, com as instituições que mais acertam as projeções nesse período, continua vendo aperto monetário maior, com a mediana das projeções apontando a Selic a 11,75% no fim de 2014, sem alteração ante a semana anterior. O Top 5 de curto prazo mostra que as estimativas são de que a Selic ficará em 11% neste ano.

Economistas atribuem a redução do ritmo do aperto promovida pelo BC a sinais de arrefecimento da inflação no início do ano, mas também à fraqueza da atividade econômica.

PIB

Embora o crescimento de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre de 2013 tenha surpreendido positivamente, o resultado não foi suficiente para mudar de maneira significativa as expectativas de um 2014 mais fraco.

Em 2013, o PIB brasileiro avançou 2,3% e agora, segundo o Focus, os economistas ajustaram suas expectativas de expansão neste ano para 1,70% frente a 1,67% na semana anterior, elevando a projeção após três semanas seguidas de queda.

Para 2015, as contas ficaram inalteradas e indicam crescimento da atividade 2%.

O Focus indicou ainda que as projeções para a inflação continuam elevadas, com o IPCA devendo encerrar este ano a 6% e 2015 a 5,70%, também sem alterações. Já a perspectiva para a inflação nos próximos 12 meses foi a 6,12%, 0,01 ponto percentual a mais do que no levantamento anterior.

Fonte: Terra