Saldo líquido de geração de empregos formais no Brasil é o pior da década

O ministro do Trabalho e Emprego evitou dar qualquer previsão para o saldo do Caged de 2013 e 2014

Brasília. O saldo líquido de geração de empregos formais de janeiro a novembro foi o pior dos últimos dez anos. No acumulado de 2013, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o saldo foi de 1.546.999 empregos. O resultado só foi melhor que o verificado entre janeiro e novembro de 2003, quando foram gerados 1.116.817 empregos. De janeiro a novembro de 2012, o saldo de empregos foi de 1.771.576. No mesmo período de 2011, foram 2.320.753. De janeiro a novembro de 2010, o saldo foi positivo em 2.918.549, o melhor resultado da série, iniciada em 2002.

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, acredita que a quantidade de demissões em dezembro no País deve ser inferior ao de igual mês de 2012. Foto: agência brasil

O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, disse ontem, acreditar que a quantidade de demissões em dezembro no País deve ser inferior ao registrado no mesmo mês de 2012. Em dezembro de 2012, o saldo líquido de geração de empregos formais do Caged ficou negativo em 503.081, com ajuste sazonal. "Dezembro deve ser negativo, sempre é, mas esperamos que não tanto quanto no ano passado", afirmou. De acordo com Dias, o resultado do Caged nos últimos meses têm sido melhor que os verificados em igual período de 2012. "O mercado tem sido melhor do que no ano passado, e a expectativa de investimento também é melhor para 2014." Ele não divulgou números preliminares relacionados a dezembro. Segundo Dias, as empresas enviam os dados que abastecem o Caged ao Ministério do Trabalho entre os dias 1º e 7 do mês seguinte.

Expectativa

O ministro do Trabalho e Emprego disse que a expectativa do governo é que o saldo líquido de geração de empregos formais em 2014 seja superior ao de 2013. De janeiro a novembro deste ano, foram gerados 1.546.999 empregos, número que deve cair por causa das demissões que ocorrem em dezembro. "Nossa expectativa é gerar mais empregos em 2014. Seguramente", disse. Dias, no entanto, evitou dar previsão para o saldo do Caged de 2013 e 2014.

Fonte: Diario do Nordeste