EUA querem o apoio do Brasil contra a China no G20

Moeda chinesa forte provoca uma forte valorização do real, segundo secretário americano

Os Estados Unidos querem o apoio do Brasil contra a China na próxima reunião do G20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo).

O secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, tentou convencer nesta segunda-feira (7) o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que o "yuan desvalorizado é um problema maior para o Brasil do que para os Estados Unidos".

O argumento de Geithner é que o yuan artificialmente atrelado ao dólar exacerba os fluxos de capital que já chegam com abundância ao Brasil por causa dos juros altos e do bom desempenho da economia do país.

Esse movimento provoca uma forte valorização do real, que prejudica a indústria brasileira. Uma mudança na política cambial chinesa aliviaria esse problema.

Uma fonte presente à reunião entre as duas autoridades contou que Mantega disse apenas que "o Brasil é contra manipulação de moedas de forma geral", mas não se comprometeu em apoiar os EUA. Nos próximos dias 18 e 19, ocorre encontro de ministros da Fazenda do G20 em Paris.

O governo brasileiro está bastante preocupado com a "invasão de produtos chineses" e já se comprometeu com a indústria a tomar medidas de defesa comercial. Mantega cogita questionar a China na Organização Mundial de Comércio, argumentando que a manipulação cambial distorce o comércio.

O problema do Brasil em apoiar os Estados Unidos, no entanto, é que Mantega também considera os americanos responsáveis pela "guerra cambial". Para reaquecer sua economia, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) emitiu uma grande quantidade de recursos, que acabaram canalizados para os mercados emergentes.

Fonte: R7, www.r7.com