Expansão das classes A e B no Brasil estimula serviço sofisticado

São profissionais que veem na maturidade do mercado interno a oportunidade de faturar mais.

Não só da classe C vive o mercado brasileiro. A expansão das classes A e B no país estimula a sofisticação do consumo e forma uma geração de "novos especialistas". São profissionais que veem na maturidade do mercado interno a oportunidade de faturar mais, ao oferecer um serviço diferenciado e, muitas vezes, personalizado.



O aumento do consumo na culinária japonesa fez César Calzavara, 30, largar a clínica veterinária para se tornar um "sommelier de atum".

"O atum é comparado ao vinho porque sua avaliação também considera a coloração, a transparência, a qualidade da carne e a espécie do atum --cada variedade tem um sabor diferente", diz.

O trabalho do "sommelier" é dar nota para todos os peixes recém-pescados que chegam às indústrias. Quanto melhor a qualidade, maior o preço pago por clientes, como importadores e restaurantes de culinária japonesa.

O atum com alto teor de gordura chega a custar o dobro de outro de boa qualidade, porém mais magro.

"Para o armador, a classificação é muito importante. A qualidade define o preço."

Calzavara, que presta serviços para cinco indústrias, recebe R$ 250 por barco classificado, trabalho para um turno. Cada barco tem, em média, 300 peixes --o "sommelier" classifica um por um.

Único profissional do país dedicado exclusivamente à classificação de atum, Calzavara diz que o mercado está começando a se desenvolver.

Apostando na expansão, ele vai ao Japão nos próximos meses, enviado pela Atlântico Tuna, aprender técnica para classificar o atum congelado, tema que será base de sua tese de doutorado.

PARA OS PETS

A sofisticação do consumo também chegou ao mercado pet. Vanessa Requejo, 34, médica-veterinária especializada em homeopatia, segue a linha "comportamentalista" para tratar cães. Atende donos de pets com problemas de comportamento.

O serviço começa com uma espécie de consultoria: Vanessa vai à casa dos clientes observar o ambiente em que vivem os bichos e a sua relação com o proprietário.

A partir do que vê, orienta os donos sobre a sua atitude com os cães e adequação do ambiente aos animais. Em casos mais difíceis, recorre a florais de Bach, homeopatia e Reiki. A hora pela consulta de Vanessa custa R$ 120; a sessão de Reiki, R$ 40.

Também empresária, dona de duas creches para cachorros em São Paulo, Vanessa diz que o atendimento personalizado é cada vez mais valorizado pelo cliente, assim como o preparo do profissional. "A sobrevivência, hoje, está muito ligada à qualificação."

Além das creches, que garantem o transporte dos pets e contam com câmeras para que os donos possam "vigiar" seus cães pela internet, a Cãominhando, empresa de Vanessa, também oferece serviço de "pet sitter" (babá para cachorro, por R$ 60 a hora).

CHÁ

Carla Saueressig, 51, também optou pela exclusividade na prestação de serviços. Ela é uma "tea blender", especialista em chás que desenvolve misturas exclusivas de ervas para restaurantes, companhias aéreas e eventos.

"As pessoas pedem chás exclusivos", diz a profissional formada na Alemanha. Dona da Loja do Chá, que vende 240 tipos da bebida em São Paulo, Carla diz que esse é um nicho em expansão.

"O Brasil não tem a cultura de tomar chá, mas é um mercado a ser desenvolvido. Tenho muitas consultas para abertura de franquias." Ela fatura R$ 1,4 milhão por ano.

Fonte: Folha.com