Financiamento imobiliário bate recorde e Caixa lucra R$ 706 milhões no trimestre

Lucro líquido cresceu 56,2% frente ao primeiro trimestre. Crédito habitacional cresceu 90% no semestre ante igual período de 2008

. A Caixa Econômica Federal (CEF) divulgou nesta segunda-feira (17) que encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 706 milhões, uma alta de 56,2% em relação aos R$ 452 milhões obtidos no trimestre anterior.

O financiamento imobiliário foi destaque entre os resultados da instituição financeira. De janeiro a junho, os empréstimos concedidos chegaram a R$ 17,4 bilhões, um recorde histórico e uma alta de 90% frente ao mesmo período de 2008. A expectativa do banco é de emprestar mais de R$ 39 bilhões no ano.

Com isso, o saldo da carteira habitacional atingiu R$ 55 bilhões no semestre, valor 71,2% maior que aquele observado no mesmo período do ano anterior. Impulsionada pelo crédito habitacional, a oferta total de crédito da CEF cresceu 56,1% em junho, na comparação com o mesmo mês de 2009, para R$ 99,2 bilhões.

O crescimento, segundo a Caixa, foi o maior dos últimos 15 anos, e resultado da “agressiva política de corte de juros da instituição”, diz o banco em nota. “Apenas no primeiro semestre de 2009, o banco reduziu 6 vezes as taxas de juros das linhas do crédito comercial para pessoa física e jurídica.

A instituição também reduziu os juros nos empréstimos habitacionais com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

As taxas estão entre 8,2% a.a. e 11,5% a.a., acrescidos de TR”, afirma a nota da Caixa. Os ativos totais da instituição atingiram saldo de R$ 323,7 bilhões e o patrimônio líquido alcançou o valor de R$ 13,5 bilhões, expansões de 22,4% e de 8,2% respectivamente, quando comparados a igual período do ano passado.

Os depósitos totais alcançaram saldo de R$ 175,9 bilhões, um incremento de 18,4% em relação ao primeiro semestre de 2008. Destaque para R$ 98,3 bilhões referentes à poupança, que apresentou crescimento de 19,2% em relação à igual período do ano passado. A captação líquida foi de R$ 2,5 bilhões no semestre.

Fonte: g1, www.g1.com.br