Gasolina vence o álcool em mais três estados

Espírito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina tiveram combustível com ajuste médio de 2,9%

Com reajuste médio de 2,9% nas últimas quatro semanas, abastecer com álcool deixou de ser vantajoso em três estados: Espírito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina. Agora, somente em 12 estados compensa encher o tanque com o combustível.

Atualmente, o litro do álcool sai em média por R$ 1,647, contra R$ 1,60 no início de setembro. Em relação a junho, quando o combustível chegou ao valor mais baixo no ano (R$ 1,537), o preço subiu 7,1%.

Os dados constam de balanço semanal divulgado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Apesar da alta das últimas semanas, o álcool ainda está 16,9% mais barato do que em fevereiro, quando o preço do litro encostou em R$ 2 e atingiu o nível mais alto em 2010: R$ 1,983.

De acordo com a ANP, a opção pelo álcool ainda é vantajosa em 12 estados: Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo e Tocantins. No Distrito Federal, não há diferença para o consumidor. Nos demais estados, o abastecimento com gasolina traz mais benefícios.

O litro mais caro do país está no Acre (R$ 2,363) e em Roraima (R$ 2,343). Os preços mais baixos foram registrados em Goiás (R$ 1,502) e São Paulo (R$ 1,508). Se for comparada a diferença entre o preço na bomba e nas distribuidoras, as maiores margens de lucro estão no Acre (R$ 0,587) e Amapá (R$ 0,439). As menores diferenças ocorrem no Ceará (R$ 0,163) e no Amazonas (R$ 0,17).

Apesar de ser mais barato do que a gasolina, o álcool tem consumo maior. De acordo com especialistas, encher o tanque com álcool só é vantajoso se o combustível custar até 70% do preço da gasolina. Entre 70% e 71%, a escolha é indiferente.

Segundo o levantamento da ANP, o maior benefício em abastecer com álcool está em Mato Grosso, onde a relação está em 58,4%, e em Goiás, com 61,1%. A desvantagem é maior em Roraima (82,5%) e no Acre (80,2%).

Fonte: IG