Grandes comerciantes criam estratégia para aproveitar queda no preço do petróleo

A estratégia também está elevando as taxas de frete de navios-tanque, e as empresas de transporte têm visto os preços de suas ações subirem nos últimos dias.

Alguns dos maiores comerciantes de petróleo do mundo contrataram nos últimos dias superpetroleiros para armazenar pelo menos 25 milhões de barris no mar, procurando aproveitar a queda dos preços da commodity e obter lucros.

O total de petróleo armazenado dessa forma deve aumentar ainda mais nas próximas semanas, uma vez que comerciantes adotam uma estratégia utilizada pela última vez em 2009, quando os preços caíram e levaram mais de 100 milhões de barris de petróleo para petroleiros.

A estratégia também está elevando as taxas de frete de navios-tanque, e as empresas de transporte têm visto os preços de suas ações subirem nos últimos dias.

Na semana passada, as empresas como a Trafigura, Vitol, Gunvor, Koch e a Shell começaram a afretar petroleiros para o armazenamento flutuante por até 12 meses, de acordo com fontes da indústria e agendamentos de navios vistos pela Reuters.

Alguns dos petroleiros ainda poderiam, contudo, ser usados para o transporte convencional de petróleo.

Shell, Trafigura, Vitol e Gunvor se recusaram a comentar. A Koch não pôde ser imediatamente contatada para comentar o assunto.

A estratégia

A estratégia funciona porque os preços do petróleo para entrega no futuro estão sendo negociadas com um prêmio para aqueles no mercado para entrega mais próxima - uma estrutura de mercado conhecida na indústria como contango -, com os investidores esperando uma recuperação dos preços, que já caíram quase 60% nos últimos sete meses.

O referencial internacional Brent caiu nesta terça-feira pouco mais de 45 dólares por barril, perto de uma mínima de seis anos, ante uma média de 110 dólares entre 2011 e 2013.

"Se esta tendência continuar ampliando contango, esperamos por mais interesse afretador para a contratação de VLCCs como armazenamento flutuante", disse o analista da Omar Nokta, da Clarkson Capital Markets.

Mas, apesar do bom negócio, os custos envolvidos proíbem muitos participantes do mercado, com exceção dos maiores players.

Levando-se em conta o frete do navio e outras despesas, incluindo combustível e seguros, os custos totais mensais são estimadas em qualquer lugar na região de US$ 1,5 milhão por petroleiro.

Fonte: G1