Pesquisa de preços em Teresina: Hortifrutis podem pesar no bolso

Neste período de Quaresma alguns produtos típicos podem encarecer.

A pesquisa de preços realizada semanalmente pelo Jornal Meio Norte nos cinco principais supermercados de Teresina continua. Nesta semana, constatamos que, dependendo do supermercado escolhido pelo consumidor, a compra de frutas e verduras pode pesar no orçamento doméstico.

O supermercado que teve um melhor desempenho de preços nesta semana foi o Extra, justamente por oferecer preços mais atrativos para frutas e verduras. O segundo colocado com preços mais atrativos foi o Hiper Bom Preço que teve vários produtos em destaque por oferecer preços menores, destacados em azul na tabela.

Já o supermercado que mostrou pior desempenho em termo de economia tivemos o supermercado Pão de Açucar. Nesta pesquisa, por conta do período que compreende à Quaresma, acrescentamos um produto bastante procurado: o Bacalhau dos tipos Ling e Saithe.

Para as próximas semanas a tendência é que novos produtos sejam acrescentados à lista. A experiência que o repórter vive ao realizar a pesquisa é a mesma do consumidor e alguns problemas foram detectados em vários supermercados analisados.

A falta de preço dos produtos nas gôndolas e a desorganização dos produtos nas prateleiras são as principais reclamações. Nao setor de produtos alimentícios e de limpeza nos Atacadões de Teresina, o Jornal Meio Norte identificou grandes diferença por cada estabelecimento.

Pelo levantamento realizado nos dias 5 e 6 de março, o Atacadão Carrefour desponta como o supermercado que tem os melhores preços do atacado, enquanto o Makro tem os valores mais altos na soma dos itens pesquisados. O Carvalho Atacado e o Maxxi ocupam, respectivamente o segundo e terceiro lugares nos preços.

Alguns produtos não foram encontrados em todos os supermercados, por isso os valores referentes a eles foram subtraídos na soma total. Destaca-se, diante da verificação in loco, que alguns supermercados pecam no quesito organização e detalhamento de preço. No Carvalho Atacado, por exemplo, muito produtos encontravam- se misturados nas sessões e sem a definição clara de quanto custaria a unidade ou a compra em maior quantidade.





*Confira matéria completa no Jornal Meio Norte de hoje (7/3/2012)

Fonte: Marcilany Rodrigues