Indústria automobilística encerra 2009 com recorde e crescimento de 11,35% das vendas

Indústria automobilística encerra 2009 com recorde e crescimento de 11,35% das vendas

Somente o resultado do mês de dezembro representa aumento de 16,4% dos emplacamentos

O melhor ano da história da indústria automobilística nacional fechou com o total de 3.141.226 veículos emplacados (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus). O volume, que surpreendeu até mesmo os executivos mais otimistas diante da crise que ameaçava a abalar o setor no início de 2009, representa aumento de 11,35% nas vendas em relação a 2008, até então o ano recorde do setor, com 2.820.957 unidades vendidas.

Somente o resultado do mês de dezembro representa aumento de 16,4% dos emplacamentos, com 293.030 unidades emplacadas contra 238.504 unidades em novembro. O resultado representa o melhor dezembro da história da indústria no país. Ao comparar com o fraco dezembro de 2008 ? quando a crise se agravou e o governo anunciou o desconto sobre o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) ? a expansão de dezembro de 2009 foi de 50,6%, de 194.550 unidades para 293.030 unidades.

Ao destacar o segmento de automóveis e comerciais leves (o principal beneficiado do desconto do IPI), as vendas chegaram a 3.009.482 unidades em 2009, aumento de 11,39% sobre o ano anterior. Em dezembro, foram emplacadas 277.944 unidades, volume 16,54% superior ao de novembro, com 238.504 unidades, e 51,12% maior em relação a dezembro de 2008, quando haviam saído das concessionárias 183.919 unidades.

Já o segmento de caminhões fechou o ano com queda de 11,47% em relação a 2008 e um total de 109.146 unidades emplacadas. No ano anterior foram 123.283 unidades. Em dezembro, as 12.702 unidades comercializadas corresponderam à venda 14,14% superior sobre novembro, quando foram emplacadas 11.128 unidades. Em 2009, o mercado de caminhões foi prejudicado pela crise financeira que abalou o mundo. As vendas de caminhões pesados foram as mais prejudicadas, por se tratar de veículos mais utilizados em setores da economia como mineração, agricultura, construção civil, entre outros, afetados diretamente pela crise.

Assim, o mercado de implementos rodoviários (caçambas, baús etc, que equipam os caminhões) também sofreu. O segmento registrou queda de 21,59% sobre o resultado de 2008, com 40.254 unidades emplacadas.

O segmento de ônibus também passou por altos e baixos e encerrou o ano com retração de 14,19% sobre 2008. Foram 22.598 ônibus emplacados, contra 26.336 no ano anterior. Em dezembro, o segmento registrou alta de 14,19% sobre novembro, com 2.384 unidades comercializadas.

Motocicletas

O setor de duas rodas foi o que mais sofreu neste ano. O motivo foi a restrição de crédito ao setor, pois compensa mais para os bancos financiar carros, com índice de inadimplência menor. Em 2009, foram emplacadas 1.609.251 motocicletas, volume 16,42% inferior ao registrado em 2008, com 1.925.514 unidades vendidas. Em dezembro, foram emplacadas 157.978 unidades, o que representa expansão de 19,19% em relação a novembro, quando saíram das lojas 132.538 unidades. Na comparação com dezembro de 2008, a alta é de 10,18%, pois no período haviam sido vendidas 143.376 unidades.

Para sanar a crise do setor, o governo anunciou em dezembro uma nova linha de crédito por meio da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil: R$ 3 bilhões para o financiamento de motocicletas de até 150 cc (cilindradas). A iniciativa para movimentar o setor de motocicletas foi feita em parceria com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo).

O governo federal também aprovou a isenção da cobrança do Cofins sobre as motos dessa categoria até 31 de março. O Cofins representa 3% do valor da moto.

Ao somar as vendas de motos com as de veículos e implementos rodoviários, a indústria registrou o total de 4.843.030 emplacamentos em 2009, o que representa leve queda de 0,13% sobre 2008, quando foram registradas 4.849.497 unidades.

Ranking das montadoras

A Volkswagen ficou na liderança nas vendas de automóveis em 2009, com 25,26% de participação do mercado. Em segundo lugar ficou a Fiat com 24,99%, seguida da GM (20,26%), Ford (9,48%), Honda (4,62%), Renault (4,58%), Peugeot (3,20%), Citroën (2,75%), Toyota (2,23%) e Hyundai (0,85%).

Já nos emplacamentos de comerciais leves, a Fiat manteve a liderança com 22,13% de fatia no mercado nacional. A segunda colocada é a General Motors com 17,58% de market share, seguida da Ford (13,01%), Volkswagen (10,98%), Hyundai (9,45%), Toyota (7,23%), Mitsubishi (7,06%), Kia (2,69%), Honda (2,12%) e Nissan (1,41%).

Ao somar os dois segmentos, a Fiat encerrou o ano como líder de mercado, com 24,49% de market share. Em seguida está a VW, com 22,74%, GM (19,79%), Ford (10,10%) e Honda (4,18%).

Perspectivas para 2010

Se era previsto crise em 2009, o fechamento com recorde projeta pra 2010 um novo patamar de vendas. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), 2010 será o melhor ano da história do setor no país, com crescimento de 9,3% nas vendas, o que corresponde ao volume de 3,4 milhões de unidades. A dimensão do mercado é representada pelo grau dos investimentos anunciados nos últimos meses, que somam R$ 16,2 bilhões ? montante que subirá com o novo ciclo de investimentos que será anunciado pela Fiat no ano que vem.

Fonte: g1, www.g1.com.br