Inflação do aluguel alivia bolso do consumidor em maio, diz FGV

O indicador é chamado de inflação do aluguel porque é utilizado como parâmetro para reajustar a maior parte dos contratos de moradia

A inflação do aluguel desacelerou em maio, graças à diminuição dos preços de produtos nas portas das fábricas. O IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) ficou em 0,43% na medição de maio, segundo os números divulgado nesta segunda-feira (30) pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Em abril, os preços haviam subido 0,45%.

O IGP-M é calculado entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência com base nos preços de bens e serviços do país, desde os insumos para a produção agrícola e industrial até os custos dos consumidores com alimentos, roupas e outros.

O indicador é chamado de inflação do aluguel porque é utilizado como parâmetro para reajustar a maior parte dos contratos de moradia. Em 12 meses, o IGP-M acumula aumento de 9,77%. Em uma conta simples, equivale a dizer que o aluguel que valia R$ 300 em maio do ano passado, neste ano passaria a valer R$ 329,30.

Segundo a FGV, o grande alívio no mês veio da desaceleração dos preços nas fábricas. O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) avançou 0,03% em maio. No mês passado, o aumento havia sido de 0,29%. Os alimentos processados ficaram mais baratos e ajudaram a desacelerar a inflação.

No caso dos preços do comércio, o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) subiu 0,90%, ficando acima dos 0,78% de abril. Cinco dos sete grupos de despesas pesquisados registraram aumento em suas taxas de variação, com destaque para Habitação (que saiu de 0,37% para 0,84%) e alimentação (que passou de 0,87% em abril para 1,09%).

O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que mede os produtos e o custo da mão-de-obra da construção, passou de 0,75% para 2,03%.

Fonte: R7, www.r7.com