Inflação oficial fecha 2010 em 5,91%, mostra o IBGE

Taxa é a maior verificada desde 2004, quando IPCA ficara em 7,6%.

A inflação oficial, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou 2010 em 5,91%, puxado pelo aumento dos preços de alimentos, segundo informou, nesta sexta-feira (7) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2009, o índice ficara em 4,31%. A maior taxa anterior a essa havia sido verificada em 2004, quando o IPCA ficou em 7,6%.

"O resultado do ano de 2010 mostra que o IPCA voltou a subir, chegando ao nível de 2008, quando havia ficado em 5,90%", disse o órgão, por meio de nota. Os alimentos, que exerceram a principal influência, segundo o IBGE, ficaram, em média, 10,39% mais caros de 2009 para 2010.

O resultado ficou em linha com as projeções feitas pelo mercado financeiro. No último boletim Focus, do Banco Central, a estimativa para o IPCA de 2010 era de 5,90%. O sistema de metas de inflação, que vigora no Brasil, estabelece como meta central para 2010 e 2011 inflação de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

De acordo com o IBGE, em 2010, em todas as regiões pesquisadas foi registrado avanço nas taxas de variação do grupo alimentação e bebidas, com destaque para Curitiba, cujos preços subiram 13,14%, a maior alta. Na contramão, a menor variação foi verificada em Porto Alegre, 7,53%.

Vilão

Entre os produtos pesquisados pelo IBGE, durante o ano, o preço do feijão chegou a ficar 51,49% mais caro. No entanto, foi o custo da carne que pesou mais no bolso do consumidor em 2010, já que é o preço do quilo aumentou 29,64%, em média, liderando a lista dos principais impactos ou contribuições para o IPCA do ano.

Consequêcia disso também é o aumento do preço das refeições feitas fora de casa, que tiveram alta de 10,62%, representando o segundo maior impacto no IPCA do ano, de acordo com o IBGE.

Fonte: g1, www.g1.com.br