Jovens são campeões em calote com cheques no 1° semestre

Entre os consumidores com até 20 anos, o índice de inadimplência ficou em 16,92%.

Os jovens lideraram a inadimplência com cheques no país durante o primeiro semestre do ano, mostra pesquisa da TeleCheque. O levantamento foi feito com mais de 13 mil clientes da base de dados da empresa especializada em verificação de crédito.



Entre os consumidores com até 20 anos, o índice de inadimplência ficou em 16,92%, ante 15,90% no mesmo período do ano passado. Conforme a idade avança, o indicador é menor (veja abaixo).

No caso daqueles com mais de 60 anos, foi de 1,24% entre janeiro em junho, frente o 1,30% registrado no mesmo período de 2010. No geral, o índice de inadimplência ficou em 2,92% nos primeiros seis meses do ano. No mesmo período de 2010, tinha sido de 2,85%

"O total de jovens inadimplentes com cheques vem crescendo nos últimos anos. O que mais nos preocupa é a dificuldade que eles têm em se recuperarem financeiramente", afirma Dirlene Martins, diretora de recuperação da TeleCheque.

Para ela, as escolas deveriam ter entre as disciplinas educação financeira, o que ajudaria a diminuir esses indicadores. "A maioria não aprende a controlar os gastos. É preciso mostrar que o crédito é bom, desde que seja utilizado de forma consciente", afirma.

O vice-presidente da Anefac (associação dos executivos de finanças), Miguel de Oliveira, destaca que os mais jovens lideram a inadimplência também em outras formas de pagamento. "Os bancos assediam muitos esses clientes para conseguirem a fidelização deles. Com despreparo, e como costumam comprar por impulso, se iludem e acabam ficando devedores", afirma.

Além disso, os mais velhos utilizam com mais frequência outras modalidades de crédito, como o consignado --com desconto na folha de pagamento para trabalhadores ou no benefício do INSS, caso dos aposentados e pensionistas.

Essas operações, realizadas por aposentados e pensionistas do INSS, totalizaram R$ 2,284 bilhões em agosto, com um total de 743.093 contratos.

Fonte: Folha.com