Legumes sobem 20% e inflação para a baixa renda acelera em março no País

IPC-C1 subiu para 0,85% em março, sobre 0,45% em fevereiro, diz FGV

A alta de preços para a população de baixa renda do país se intensificou em março, na comparação com o mês anterior, segundo pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgada nesta quinta-feira (10).

Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede a variação de preços para famílias com renda de até 2,5 salários mínimos mensais, apresentou variação de 0,85% em março, sobre 0,45% em fevereiro.

Com esse resultado, o indicador acumula alta de 2,03% no ano e de 5,10% nos últimos 12 meses.

Quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação: alimentação (0,47% para 1,85%), habitação (0,47% para 0,54%), educação, leitura e recreação (0,39% para 0,85%) e vestuário (0,11% para 0,33%).

Os destaques partiram dos itens hortaliças e legumes (2,02% para 19,55%), tarifa de eletricidade residencial (-0,40% para 0,19%), hotel (-1,57% para 1,25%) e roupas (-0,14% para 0,43%), respectivamente.

Em contrapartida, apresentaram decréscimo nas taxas de variação os grupos despesas diversas (1,14% para 0,21%), saúde e cuidados pessoais (0,48% para 0,29%), comunicação (0,28% para -0,22%) e transportes (0,39% para 0,28%).

Nestas classes, as principais influências partiram dos itens: cigarros (1,69% para 0,00%), medicamentos em geral (0,16% para 0,03%), tarifa de telefone residencial (0,01% para -0,49%) e tarifa de ônibus urbano (0,31% para -0,08%), respectivamente.

Fonte: G1