Lojista tenta recuperar prejuízos nas vendas para o Dia dos Pais

Lojista tenta recuperar prejuízos nas vendas para o Dia dos Pais

O Dia dos Pais será comemorado no próximo domingo (10) e os lojistas de Teresina estão criando estratégias de vendas para amenizar os prejuízos que foram contabilizados após a greve dos comerciários e manter a meta de negócios desse período. Iniciado no dia 03 de julho, o movimento só teve fim no último dia 29, após 23 dias de paralisação, o que gerou preocupações no setor varejista.

Foi o que disse Tatiana Saraiva que é gerente de uma loja de confecções no centro da cidade. As grandes expectativas de vendas para esse período, segundo ela, começaram ainda no mês de junho, mas com a greve, as perspectivas de venda diminuíram muito. Porém, ela acredita que a empresa vai superar os prejuízos registrados durante a greve.

“Nesse período da greve, nosso índice de vendas chegou a 56% negativo em relação ao mesmo período do ano passado. Estamos fazendo de tudo para bater pelo menos esse número negativo. Estamos com promoções e correndo atrás do prejuízo”, falou Tatiana.

A gerente acrescenta que o ano em geral não está sendo muito produtivo para o setor lojista, mas existe esperança, sobretudo, porque muitos clientes deixam para comprar o presente dos pais durante a semana da data e até mesmo na véspera das comemorações.

“Estamos com muitos produtos, tanto expostos, como nos estoques. Então temos a expectativa de que a movimentação vai aumentar, principalmente, porque brasileiro costuma deixar tudo para última hora. Esperamos e apostamos que nessa semana as vendas aumentarão bastante”, afirma Tatiana, comentando ainda que peças como camisas polos, meias e cuecas são os produtos que mais saem durante esse período.

Já para Bernardo Costa, gerente de uma loja de eletrodomésticos e eletroeletrônicos da cidade, o período está bem movimentando por conta do Dia dos Pais. Também fazendo uso das promoções e com bastante opções de produtos, o gerente está confiante nas vendas, mesmo depois de uma paralisação tão duradoura.

“A expectativa é de compensar esse período da greve. Foi um abalo muito grande e houve dias onde abríamos apenas de manhã cedo e já tínhamos que fechar logo. Então abríamos às 17 hotsd e tínhamos que fechar às 18 horas. Houve dias que perdemos muitas vendas”, revela o gerente, que ainda diz estar confiante em relação a esta semana que antecede o Dia dos Pais. “Vamos vender para superar o mesmo período do ano passado. Sempre trabalhamos com essa meta e apesar de tudo, sempre conseguimos”. Como alternativas de presentes, Bernardo aposta nas vendas dos produtos tecnológicos como celulares, assim como os mais tradicionais: camisas e cuidados pessoais, como barbeadores elétricos.

Além disso, tem a linha de ferramentas para os pais que gostam de fazer reparos em casa. E para os filhos com condições maiores, opções como as TVs digitais e aparelhos de som também entram na lista.

Fonte: Djalma Batista e Flávia Araújo