Lucro da Petrobras cai 12% e atinge R$ 28,9 bi

Empresa promete investir até R$ 395,7 bilhões entre 2010 e 2014

A Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 28,982 bilhões no ano passado, valor 12% menor que o registrado em 2008 quando a empresa lucrou R$ 32,9 bilhões. Só no quarto trimestre de 2009, a Petrobras elevou seu lucro para R$ 8,13 bilhões, contra R$ 6,19 bilhões em igual período imediatamente anterior. As informações foram divulgadas pela empresa nesta sexta-feira (19).

O aumento do lucro no quarto trimestre de 2009, segundo comunicado da empresa, se deveu ao crescimento das vendas de combustíveis no mercado interno, redução de despesas operacionais e à melhoria dos preços internacionais do petróleo. No trimestre, o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 15 bilhões, ante R$ 9,2 bilhões um ano antes.

A empresa anunciou ainda que vai investir entre R$ 359,8 bilhões (US$ 200 bilhões) e R$ 395,7 bilhões (US$ 220 bilhões) entre 2010 e 2014, ante R$ 313,7 bilhões (US$ 174,4 bilhões) do plano de investimentos anterior para o período 2009-2013.

Sobre a queda do lucro total de 2009, a estatal informou que ela decorre da "redução nos preços de venda de petróleo e derivados, as perdas cambiais durante o período em que a companhia manteve exposição líquida ativa em dólar e a despesa extraordinária com participação especial".

O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, disse a jornalistas na sede da empresa no Rio de Janeiro que "a receita operacional líquida caiu R$ 32 bilhões (em 2009), porque os preços reduziram-se. O preço do Brent caiu 36% e os nossos preços de venda caíram 12%" .

- A premissa para realizar o plano de investimentos é um Brent crescente e também assumindo a capitalização, que a gente espera que ocorra até o final de julho.

A estatal normalmente anuncia o plano de negócios para os próximos 5 anos ao final de cada ano, mas adiou a divulgação no ano passado para esperar a votação do projeto de capitalização, que já passou pela Câmara e está sob análise no Senado.

Fonte: r7