Lucro do Bradesco sobe para R$ 3,778 bi no 2º trimestre de 2014

Lucro do Bradesco sobe para R$ 3,778 bi no 2º trimestre de 2014

Resultado é 9,7% superior ao registrado no primeiro trimestre do ano

Nesta quinta-feira (31), o Bradesco abriu a temporada de balanços das instituições financeiras e anunciou ter registrado lucro líquido contábil de R$ 3,778 bilhões no segundo trimestre de 2014. O resultado é 9,7% superior ao verificado nos três primeiros meses do ano e 28,1% maior em comparação ao segundo trimestre de 2013.

O lucro do Bradesco é o maior da história do banco, para o segundo trimestre, de acordo com levantamento da consultoria Economatica.

No primeiro semestre de 2014, o banco apresenta lucro de R$ 7,221 bilhões, acima dos R$ 5,868 bilhões no mesmo período de 2013.

A instituição fechou o segundo trimestre com carteira de crédito (quanto pode emprestar) de R$ 435,2 bilhões, um aumento de 0,7%, influenciado pelo crescimento de 1,8% da carteira de pessoas físicas. Já as micro, pequenas e médias empresas tiveram sua participação reduzida, "devido, principalmente, ao maior ritmo de crescimento nos produtos de menor risco, ou seja, crédito pessoal consignado, financiamento imobiliário, e no segmento grandes empresas".

No 2º trimestre de 2014, a despesa de provisão para devedores duvidosos (que podem não honrar o pagamento dos seus empréstimos com o banco) atingiu R$ 3,141 bilhões, um aumento de 9,8% em relação ao trimestre anterior.

Segundo o banco, o resultado foi impactado, "em parte pela redução do nível de inadimplência ocorrido no trimestre anterior, caracterizado pela existência da sazonalidade de concentração de pagamentos de despesas de nossos clientes, que de fato não ocorreu e vieram a impactar, em parte, apenas no 2º trimestre de 2014; e pela adequação do nível de provisionamento de casos pontuais ocorridos em operações com clientes corporativos".

Quanto à inadimplência total, compreendendo o saldo das operações com atrasos superiores a 90 dias, foi registrada queda de 3,7% para 3,5%, na comparação anual. Entre as razões para esta queda, segundo o Bradesco, estão "a mudança do mix da carteira; o aprimoramento contínuo dos modelos e sistemas de concessão de crédito e o aperfeiçoamento dos modelos internos de acompanhamento de risco de crédito".

Fonte: G1