Lula afirma que governo promoveu o maior processo de desoneração do país

Segundo presidente, crise econômica não acabou, mas está mais fraca

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira (27), durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), que o seu governo promoveu o maior processo de desoneração já visto no país. Ele afirmou ainda que os recursos do pré-sal serão usados para melhorar a educação, ampliar os investimentos em ciência e tecnologia e combater a pobreza.

“Vivemos o maior processo de desoneração desse país. Não existe limite para desonerar. Toda vez que o Estado desonerar tem que encontrar um jeito de pagar seus compromissos”, disse o presidente. Ele reclamou ainda que enviou duas propostas de Reforma Tributária para o Congresso, mas não conseguiu mudar o sistema tributário para e Brasil. Segundo ele, um país forte precisa manter uma carga tributária alta para poder investir. “Não é possível ter Estado forte com arrecadação fraca. O maior exemplo é a Europa que tem o maior estado de bem estar social e a maior carga tributária”, salientou.

Lula comentou ainda que a crise financeira internacional ainda não acabou, mas já está menos intensa. Ele comentou que as economias européia e norte-americana já estão dando sinais de recuperação. “Não é que não temos mais crise. O que está acontecendo na verdade é que a água não está mais fervendo, a água está morna”, discursou.

Pré-sal

O presidente disse também aos membros do Conselhão que o novo marco regulatório para exploração de petróleo na camada pré-sal não podia ser discutido publicamente ainda, porque ainda faltam definições do governo e o Congresso precisa receber a proposta primeiro.

“Quase tudo já saiu na imprensa. Mas qual o meu alento. É que, ao contrário do que alguns dizem que o governo está sendo muito duro, eu nunca vi os empresários do setor do petróleo reclamarem. Vamos fazer [um novo marco regulatório] porque esse petróleo pode nos dar algumas coisas. O Brasil precisa elevar seu nível educacional. Nós temos dívida com os investimentos de ciência e tecnologia. Esse é o valor agregado maior que podemos dar para a indústria. E outro ponto é utilizar esse dinheiro [do pré-sal] para tirar as pessoas da pobreza. Se não der destinação a esse dinheiro vai para o ralo do governo e não fazemos nada”, discursou o presidente.

Fonte: g1, www.g1.com.br