Lula deve aceitar aumento gradual do IPI

A cobrança do IPI incidente sobre automóveis de até 1.000 cilindradas foi reduzida de 7% para zero em dezembro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está disposto a aceitar a proposta do Minstério da Fazenda de prorrogar a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis com aumento gradual da alíquota. O imposto menor é válido até 30 de junho. Segundo um ministro, que falou à Reuters nesta quarta-feira sob a condição do anonimato, "dificilmente isso seria suspenso (a prorrogação do IPI menor) e pode ser mantido (dentro dessa nova fórmula)".

A redução do imposto para carros teve início em dezembro como medida para estimular o consumo em meio à desaceleração econômica gerada pela crise financeira. Foi prorrogada em março por três meses.

O Ministério da Fazenda defende agora que as desonerações para os automóveis sejam reduzidas gradualmente a partir de julho, mas que a taxação, ao final, permaneça abaixo dos patamares pré-crise.

A cobrança do IPI incidente sobre automóveis de até 1.000 cilindradas foi reduzida de 7% para zero em dezembro. Para os carros de 1.000 a 2.000 cilindradas, a tarifa foi cortada à metade.

Em entrevista este mês, Lula defendeu uma política permanente de redução do IPI. Como ao final a taxação ficaria abaixo do período anterior a crise, a proposta da Fazenda casa com a vontade do presidente.

A fórmula de um IPI menor, mas com aumento gradual da alíquota atende a duas preocupações: manter o estímulo ao comércio de automóveis e, ao mesmo tempo, não criar um problema na arrecadação do governo, em queda por conta da desaleração econômica e de outras medidas de desoneração.

Fonte: Terra, www.terra.com.br