Lula fala sobre recuperação diante da crise

Medidas do governo na economia foram assunto do "Café com presidente"

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou sobre a situação econômica do país em seu programa semanal de rádio "Café com presidente", nesta segunda-feira (20). Lula afirmou que o governo trabalha para que o país volte ao ritmo de crescimento que tinha antes da crise e se transforme em "uma das economias mais importantes do mundo".

Para o presidente, as medidas do governo foram importantes para a reação diante da crise econômica mundial. "Nós tomamos todas as medidas que tínhamos que tomar para incentivar a economia, para facilitar o crédito, para facilitar a venda de produtos, desonerando alguns produtos para incentivar o consumo. E o que estamos notando agora são números expressivos, na indústria automobilística, na venda de geladeiras, na venda de máquinas de lavar roupas, na venda de fogões", afirmou.

Lula disse que faz cinco meses que o país vem crescendo, com a criação de novos postos de trabalho com carteira assinada. "Já recuperamos metade dos empregos que nós perdemos na crise, significa que até o final do ano mas poderemos recuperar tudo que perdemos e começar ter novos ganhos na geração de empregos", analisou.

O presidente disse ainda que a previsão da equipe econômica do governo é que o Brasil entre 2010 em "situação altamente confortável, produzindo bem, recuperando a capacidade produtiva das nossas empresas". Ele afirmou que o Brasil está em um momento importante da economia brasileira, mas que é preciso cautela, já que a crise "ainda não foi resolvida nos países aonde ela nasceu". Para Lula afirmou que a recuperação foi por conta do mercado interno que voltou a crescer. "A indústria automobilística bateu recorde de venda e de produção.

A General Motors (GM), que foi vítima de uma crise profunda nos Estados Unidos, anunciou um investimento de R$ 2 bilhões até 2012 no Brasil. Uma demonstração que as indústiras voltaram a confiar no Brasil, estão percebendo a solidez da economia brasileira", exemplificou.

Fonte: g1, www.g1.com.br