Maior companhia aérea dos EUA pede concordata e aumenta crise

AS açòes da companhia despencaram após o pedido.

As ações da companhia aérea American Airlines recuavam mais de 60% no pré-mercado da Bolsa da Nova York (Nyse) nesta terça-feira (29), após a divulgação de que a empresa entrou com pedido de concordata. O pedido de "proteção" ao Capítulo 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos foi feito pela AMR, controladora da companhia, e abrange também a American Eagle, outra subsidiária da AMR.

Após fechar a US$ 1,62 na segunda-feira, as ações eram negociadas a US$ 0,64 por volta das 11h20 (horário de Brasília), antes da abertura do pregão nos Estados Unidos.

A companhia informou que tanto a American Airlines quanto a American Eagle operarão seus voos normalmente nesta terça, e suas reservas, serviços ao consumidor e todas as outras operações seguirão normalmente. Durante o processo de reestruturação, a empresa diz que espera manter suas operações e pagamentos aos funcionários normalmente.

"Estou confiante de que a American vai ressurgir ainda mais forte como uma líder global reconhecida pela excelência e inovação", afirmou o presidente da holding e da companhia aérea, Thomas Horton.

A AMR atende a 260 aeroportos em mais de 50 países, com 3,3 mil voos diários.

No terceiro trimestre deste ano, a AMR registrou prejuízo liquido de US$ 162 milhões, frente a um lucro líquido de US$ 143 milhões do mesmo período do ano passado. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, o prejuízo líquido da AMR foi de US$ 884 milhões. Segundo a empresa, o resultado foi afetado pelo "impacto adverso" da volatilidade do preço do barril de petróleo e da cotação do dólar em relação a moedas estrangeiras no período.

Fonte: G1