Maioria dos brasileiros não sabe valor de juros no cartão de crédito

Maioria dos brasileiros não sabe valor de juros no cartão de crédito

Mais da metade dos pesquisados já pagou — ou tem hábito de pagar — só o mínimo da fatura

Os brasileiros preferem usar o cartão de crédito para parcelar suas compras, mas não sabem quanto pagam de juros e correm o risco de entrar em dívidas por pagar apenas o valor mínimo da fatura. Isso é o que apontou uma pesquisa realizada pelo portal Meu Bolso Feliz, do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito).

Segundo o levantamento, 83% dos entrevistados afirmam que o cartão de crédito é a modalidade de pagamento mais utilizada na hora de parcelar uma compra. Os dados preocupantes são em relação aos hábitos na hora de utilizar as várias opções de crédito disponíveis no mercado.

Mais da metade (57%) dos consumidores entrevistados já usou ou tem o hábito de usar o crédito rotativo ? situação em que o consumidor opta por pagar apenas o valor mínimo da fatura do cartão. Um agravante é que a maioria dos consumidores (77%) reconhece não ter conhecimento do valor dos juros cobrados nesse tipo de operação.

Para o educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, o cartão de crédito pode ser um vantajoso instrumento de financiamento, já que oferece parcelamento quase a custo zero, com exceção do valor cobrado pela anuidade.

? O cartão de crédito trouxe conveniência e segurança porque viabiliza o poder imediato de compra, mesmo que o consumidor não disponha de dinheiro no momento do uso. Mas para usufruir das vantagens, é preciso controle para que a pessoa não gaste mais do que efetivamente possa pagar. Aqueles consumidores que não quitam o valor integral da fatura correm o risco de cair no efeito ?bola de neve?, já que hoje, a taxa média cobrada nessas operações gira em torno de 200% ao ano. É uma das maiores do mundo.

A maioria dos entrevistados (61%) admite que no momento de parcelar uma compra, o que mais pesa é se o valor de cada prestação cabe no bolso e não se os juros embutidos impactam no valor final do produto.

Outra constatação do levantamento é que até mesmo entre os consumidores que não possuem cartão de crédito no próprio nome (23%), o seu uso é algo comum. Desse percentual, quatro em cada dez consumidores (43%) revelam ter o hábito de pedir o cartão emprestado a parentes ou amigos para realizar compras parceladas. A prática aparece com mais frequência entre os brasileiros mais jovens (53%) e as mulheres (48%).

Impulso

O cartão de crédito tem outras desvantagens, quatro em cada dez entrevistados (39%) atribuem à facilidade de compra como a principal causa das compras supérfluas, seguida pela dificuldade em manter o controle do valor das compras realizadas (36%) e não resistir às compras por impulso (16%).

A economista-chefe do SPC Brasil, Luiza Rodrigues, afirma que outros estudos mostram que os maus hábitos de planejamento financeiro são a principal causa da inadimplência das famílias, independentemente do nível de renda.

? Isso significa que o consumidor precisa estar preparado e bem informado para usar o cartão de crédito a seu favor.

Para o educador financeiro José Vignoli, o cartão de crédito pode ser um aliado dos consumidores no controle do orçamento pessoal. Concentrar os gastos numa única data de fatura e poder visualizar a partir do extrato para onde o dinheiro está indo é um facilitador de tempo e planejamento, explica o educador.

? O grande diferencial do cartão de crédito é que ele proporciona poder de compra. Isso significa que o consumidor pode adquirir um bem mesmo sem ter o dinheiro. Porém, essa é uma vantagem que se transforma facilmente em desvantagem, quando não há controle. O cartão de crédito, ao contrário do que muitos pensam, não é um vilão para o consumidor. Tudo depende de como ele é utilizado.

Fonte: r7