Mais de 60 mil famílias passarão a ter acesso à água no semiárido

Mais de 60 mil famílias passarão a ter acesso à água no semiárido

Até o final da execução desta etapa do programa, a Codevasf deverá concluir a instalação de cerca de 200 mil cisternas

Mais 60.405 famílias moradoras de comunidades rurais difusas do semiárido passarão a ter acesso à água. A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) formalizou nesta semana ? com publicação no Diário Oficial da União ? contratos para a instalação de mais um lote de cisternas de abastecimento humano do programa Água para Todos, uma ação continuada que foi iniciada em 2011 com previsão de execução para até o final de 2014, voltada para famílias incluídas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) do governo federal desprovidas de qualquer outra fonte de suprimento hídrico.

Os reservatórios serão implantados em comunidades rurais dispersas dos estados de Minas Gerais, Piauí, Pernambuco, Bahia e Sergipe. Os contratos têm por objeto o fornecimento, o transporte e a instalação das cisternas e somam investimentos de R$ 312 milhões. O processo de contratação de outras 7.956 cisternas, em benefício do estado do Ceará, está em andamento. Até agora, cerca de 80 mil famílias do semiárido já foram beneficiadas pela Codevasf com os reservatórios.

?A instalação dessas cisternas tem por objetivo garantir segurança hídrica a famílias residentes em áreas rurais dispersas que se encontram em situação de extrema pobreza ou pobreza, e sem outra forma de acesso a água. Cada reservatório tem capacidade de armazenamento de 16 mil litros de água. Esta quantidade de água pode suprir a demanda associada às necessidades básicas de uma família de cinco pessoas por períodos de estiagem superiores a seis meses?, explica o coordenador-geral do Água para Todos na Codevasf, Elton Silva Cruz.

As cisternas implantadas pela Codevasf são de polietileno e têm entre suas principais características a simplicidade do processo de instalação, a resistência e a vedação do armazenamento. O abastecimento ocorre durante os períodos chuvosos: a água da chuva é aparada no telhado do local beneficiado e conduzida, por meio de um sistema de calhas e canos, para o interior do reservatório. Com a observância de cuidados básicos ? que são comunicados aos beneficiados em treinamentos específicos ? a água é própria para saciar a sede e para o preparo de alimentos.

Nas localidades em que a estiagem tem sido mais severa, as cisternas estão permitindo que os beneficiados guardem com segurança a água provida por carros-pipa. A vida útil do equipamento é estimada em 30 anos.

A indicação dos beneficiários do Água para Todos é responsabilidade de comitês gestores municipais e comissões comunitárias, compostos por representantes da sociedade civil, sindicatos de representação rural, associações comunitárias, igrejas e poder público municipal. Em suas indicações, os comitês e comissões observam determinadas diretrizes: os beneficiários devem ser famílias que residam em áreas rurais, vivam em situação de extrema pobreza ou pobreza ? o que significa possuir renda per capita mensal de até R$ 140 ?, tenham carência de acesso a água e possuam inscrição no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) do governo federal. Aposentados que vivam exclusivamente da renda previdenciária e residam nas comunidades assistidas pelo programa, assim como escolas e postos de saúde, também são beneficiados.

Até o final da execução desta etapa do programa, a Codevasf deverá concluir a instalação de cerca de 200 mil cisternas no âmbito do programa Água para Todos nos estados de Minas Gerais, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Ceará, Piauí e Maranhão. O programa é coordenado pelo Ministério da Integração Nacional.

Fonte: Jornal Meio Norte