Natal de 2010 será o melhor da década para economia

Aumento da renda e do emprego e maior número de 13º salário motivam melhora

O recente pacote de arrocho do crédito baixado pelo governo deve tirar perto de R$ 2 bilhões do consumo no fim do ano. Mesmo assim, sustentado pelo aumento da renda e do emprego e pelo maior número de trabalhadores que estão recebendo o 13º salário, este Natal será o melhor da década. As vendas do comércio em dezembro devem atingir R$ 96,2 bilhões, segundo cálculos da MB Associados.

Empresários do comércio e economistas dizem que o maior impacto do pacote no comércio virá em 2011. É que as redes varejistas estão mantendo neste mês as condições de financiamento para não perder vendas de eletrônicos e itens de informática. Mais do que isso, parte dos comerciantes acredita que poderá sair ganhando. Como os financiamentos de veículos em prazos longos e sem entrada ficaram mais caros, o consumidor poderá substituir a compra do carro zero por uma TV fininha ou um notebook. Esses produtos estão na lista dos mais desejados no Natal e, normalmente, são vendidos no crediário.

Cálculos da consultoria mostram também que o aperto no crédito combinado com a alta da taxa básica de juros básica no ano que vem para segurar o avanço da inflação, poderão enxugar o consumo em quase R$ 20 bilhões ao longo de 2011, segundo o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale.

- O Natal vai ser muito bom. O maior da era Lula em valores absolutos. Talvez pudesse ser melhor sem o pacote.

Vale projetou as vendas reais do varejo ampliado, que incluem, além de roupas, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, veículos, motos, partes e peças e materiais de construção, para este mês e 2011, antes e depois do aumento dos depósitos compulsórios dos bancos.

Com o crédito crescendo na casa de 25%, a projeção inicial de Vale era que as vendas do comércio ampliado neste mês atingissem R$ 98 bilhões. Agora ele reduziu a projeção de vendas para R$ 96,2 bilhões, levando em conta que o ritmo de crescimento do crédito ao consumo diminua para algo entre 15% e 20%. Com isso, o faturamento cresce em dezembro R$ 3,3 bilhões ou 3,5% na comparação o mesmo mês de 2009.

Fonte: R7, www.r7.com