Obama pretende apoiar pequenas empresas

Presidente dos EUA lembrou que em 2009 apoiou mais de 47.000 empréstimos

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama defendeu neste sábado, em seu programa de rádio, a adoção de novas medidas para apoyar as pequenas empresas do país, que considera vitais para a reconstrução da economia sobre uma base mais sólidae a criação de empregos.

- Estas empresas representam a essência do espírito americano, a promessa de que qualquer pessoa pode ter sucesso neste país se tiver uma boa ideia e a determinação para executá-la.

O presidente acrescentou que em 2009 seu governo apoiou mais de 47.000 empréstimos a pequenas empresas e concedeu bilhões de dólares em isenções fiscais aos proprietários de pequenas empresas. Mas destacou que é preciso fazer mais.

Obama recordou que propôs o uso de 30 milhões de dólares do Programa de Alívio de Ativos em Problemas (TARP) - usado originalmente para resgatar os bancos de investimentos de Wall Street - para criar um novo Fundo de Empréstimos para Pequenas Empresas, que proporcionará capital para bancos comunitários.

- Estes são os pequenos bancos locais que serão capazes de oferecer a nossos proprietários de pequenas empresas mais dos créditos que necessitam para se manter.

Ele acrescentou que o governo também deve continuar dando isenções tributárias, aumentando garantias e os empréstimos para pequenas empresas.

Obama destacou ainda que planeja um novo crédito fiscal para mais de um milhão de pequenas empresas que contratarem novos funcionários ou aumentarem os salários, "para dar a estas empresas mais incentivos para crescer e criar empregos".

O presidente pediu "apoio específico" para as pequenas empresas com maior potencial de exportação de bens e produtos novos.

Também pediu aos membros do Congresso, que começará a debater muitas destas propostas na próxima semana, que não criem obstáculos para a aprovação.

- As propostas que descrevi não são democratas ou republicanas, liberais ou conservadoras. São a favor da empresa, a favor do crescimento e a favor do emprego.

Fonte: R7, www.r7.com