OGX vai buscar petróleo em 8 municípios do MA

Empresa já tem licenças de instalação e operação para ampliar pesquisas sísmicas em seis blocos.

Mais oito municípios maranhenses que integram a Bacia do Parnaíba (terrestre) terão pesquisas sísmicas realizadas pela OGX Petróleo e Gás. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema) emitiu licenças de instalação e de operação para que a empresa do empresário Eike Batista amplie as atividades em busca por petróleo e gás natural na região.

De acordo com comunicado publicado pela OGX em jornal local, as licenças autorizam a empresa a realizar pesquisas sísmicas em seis blocos, abrangendo o espaço territorial dos municípios de Lago da Pedra, Lago do Junco, São Luís Gonzaga, Lago dos Rodrigues, Trizidela do Vale, Bernardo do Mearim, Igarapé Grande e Poção de Pedras.

Com a descoberta de gás natural no município de Capinzal do Norte, cuja reserva é estimada de 10 a 15 trilhões de pés cúbicos, o Maranhão apresenta potencial para ser um dos maiores produtores de gás no mundo. Se confirmada a expectativa, o volume corresponderá a quase metade das reservas de gás da Bolívia, que, de acordo com o governo boliviano, somam aproximadamente 19 trilhões de pés cúbicos. Diante dessa projeção, a OGX intensificou os investimentos na região, com perspectiva de encontrar, também, petróleo.

De acordo com dados da Secretaria de Estado Extraordinária de Minas e Energia (Seme), a perspectiva é de que a reserva de gás natural em Capinzal do Norte represente 25% da produção nacional, que hoje é de 60 milhões de metros cúbicos por dia. ?Capinzal já está sendo considerado o Pré-Sal do gás?, afirmou o secretário de Estado de Minas e Energia, Israel Ferreira.

Pará-Maranhão - A frente aberta pela OGX em busca de petróleo e gás natural no estado não se limita apenas à Bacia do Parnaíba (terrestre). O foco da empresa também se estende à Bacia Pará-Maranhão (marítima), onde será realizada campanha exploratória.

Nessa perspectiva, a OGX trouxe a São Luís a plataforma Ocean Sceptor, equipamento de propriedade da empresa Diamond Offshore, que se encontra fundeada na Baía de São Marcos em manutenção, devendo seguir para a campanha na Bacia Pará-Maranhão no período de dezembro deste ano a janeiro de 2011.

A plataforma Ocean Scepter tem capacidade para perfurar poços de aproximadamente 11 mil metros de profundidade, em lâmina d"água máxima de até 100 metros. Na Bacia Pará-Maranhão, que reúne uma área sedimentar total de aproximadamente 100.000 km², a OGX tem direitos de concessão sobre cinco blocos exploratórios. Atividades anteriores de perfuração em áreas próximas a três desses blocos indicaram a presença de petróleo leve na região.

Fonte: Imirante, www.imirante.com.br