OI colocai orelhões em matagal só para cumprir exigências

Os orelhões foram instalados há cerca de um mês, de acordo com o jornal Zero Hora, e indignou os moradores.

Obrigada a multiplicar a quantidade de orelhões nas cidades em que atende, a Oi tem resolvido a questão de uma forma que causou desagrado. No município de Passa Sete, Rio Grande do Sul, a operadora instalou 16 aparelhos em locais de difícil acesso; além disso, nenhum deles faz ligações gratuitas, outra exigência feita pela Agência Nacional de Telecomunicações.


OI colocai orelhões em matagal só para cumprir exigências

Os orelhões foram instalados há cerca de um mês, de acordo com o jornal Zero Hora, e indignou os moradores. A principal intatistação é um aglomerado de nove aparelhos dispostos em três ilhas colocadas num terreno que fica atrás da Prefeitura. Se quiser fazer ligações, o cidadão tem de percorrer 200 metros em meio ao capim.

Antes, a cidade contava com apenas quatro orelhões, sendo que a Anatel exige pelo menos quatro a cada mil habitantes (Passa Sete tem 5,1 mil). Tirando os nove aparelhos instalados no terreno, os outros foram colocados justamente onde já havia: dois em frente ao cemitério (tinha dois); três em frente a uma loja de roupas (tinha um); e um em frente à Prefeitura (tinha um).

Ao Zero Hora, o prefeito Bertino Rech disse que a Oi não consultou o município para fazer os investimentos, como também não pediu autorização para instalar aparelhos dentro do terreno da Prefeitura. Na quinta-feira da semana passada, 25, um funcionário da operadora foi averiguar a situação, mas não deu explicações.

Mesmo totalizando 20 aparelhos, a cidade só pode contar com 1/4 disso, já que apenas cinco deles estavam funcionando. "Parece que a empresa quis se livrar logo dos orelhões que faltavam e, por isso, os colocou onde já tinham outros e o restante nos fundo da Prefeitura, de qualquer jeito", disse Rech.

Em nota, a Oi confirmou que as instalações visam atender às exigências da Anatel, mas não explicou por que nenhum deles faz ligações gratuitas. O benefício deveria ter começado a valer em outubro como punição pela precariedade do serviço oferecido

Fonte: Olhar Digital