Operações de crédito garantem novos investimentos no Piauí

Em maio deste ano foi realizada a primeira operação de credito, no valor de R$ 300 milhões de reais

 Dando continuidade às ações firmadas em contrato junto ao BNDES, foram liberados na última sexta-feira, dia 24, R$ 173 milhões referentes à segunda operação de crédito para obras de infraestrutura no Estado do Piauí. O projeto destina-se à implantação, pavimentação e recuperação de rodovias no Piauí, no total de 1,4 mil quilômetros.

Segundo o secretário da Fazenda, Antônio Neto, a verba liberada é de grande importância para contrapartidas em convênios federais, como também para servir de compensação da queda do Fundo de Participação do Estado devido à crise financeira. “Estamos dando continuidade ao cronograma de obras e investimentos previstos para o Estado. Ficamos contentes com os avanços nas negociações junto ao BNDES. A liberação imediata dos recursos é resultado de um trabalho contínuo e de credibilidade que temos desempenhando ao longo dos anos”, declara o secretario.

Em maio deste ano foi realizada a primeira operação de credito, no valor de R$ 300 milhões de reais que foram investidos em obras de infraestrutura. Dentre elas, estão previstas a reconstrução da estrada no trecho entre Cabeceiras e Barras, orçada em R$ 4,5 milhões, e 162 km da estrada que liga Canto do Buriti, Itaueira e Floriano, orçada em R$ 40,5 milhões. Com isso, somente no primeiro semestre foram viabilizados recursos na ordem de R$ 473 milhões liberados para investimentos no Estado. “Para completar o ciclo de operações de credito junto ao BNDES ainda falta a terceira operação, que ainda esta em fase de estudo, e provavelmente será liberada próximo ano cerca de R$ 300 milhões também para obras de infraestrutura.

A previsão é que até 2010 toda a verba seja aplicada. “Os investimentos visam atender, principalmente, a demandas reprimidas de interligações entre municípios. Permitindo assim uma maior dinamização da economia, fortalecimento das atividades, melhor escoamento da produção, redução de custos de transporte do setor privado e inclusão social de comunidades proporcionando melhoria da qualidade de vida”, ressalta Antônio Neto.

Fonte: Assessoria