Percentual de etanol na gasolina pode voltar a 25%, diz Lobão

"Se a produção melhorar, elevaremos para 25%", afirmou o ministro

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou nesta segunda-feira (9) que o governo poderá aumentar o percentual do álcool anidro na gasolina de 20% para 25% assim que a produção nacional de etanol superar os patamares atuais.

"Reduzimos para 20% em razão da contintência do ano passado e estamos mantendo a 20%, mas a qualquer momento podemos voltar a 25%. Estamos examinando a possibilidade de aumentar para 25% na medida em que a produção justificar isso. Se a produção do etanol continuar nas condições em que está hoje vamos manter em 20%. Se a produção melhorar, elevaremos para 25% que é o nosso propósito", afirmou o ministro, sem dar prazo.

O ministro, que participou da cerimônia de entrega do navio Sérgio Buarque de Holanda à Transpetro, no Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ), disse ainda que que somente haverá leilão em áreas do pré-sal após a aprovação da lei dos royalties.

Em outubro de 2011, o governo decidiu reduzir a mistura de álcool na gasolina de 25% para 20% por tempo indeterminado. Na ocasião, Lobão afirmou que tratava-se de uma "medida de precaução" do governo contra o risco de desabastecimento de etanol no mercado brasileiro e o aumento do preço do produto para o consumidor. Devido à mistura, o aumento do preço do etanol também estava impactando no preço da gasolina. Com a medida, a Petrobras passou a ter de importar mais gasolina do exterior para garantir o consumo nacional.

Efeitos de um aumento da cota de etanol

A volta do patamar de 25% de álcool anidro beneficiaria, em tese, a Petrobras, na medida em que a companhia passaria a ter de comprar menos combustível no exterior para abastecer o mercado doméstico.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto.

A estatal vem defendendo uma maior paridade do preço do combustível em relação aos preços internacionais. Com os preços dos combustíveis nas refinarias defasados, a Petrobras tem prejuízo na importação, já que compra gasolina cara para vender mais barato no mercado nacional.

No dia 22 de junho, a Petrobras anunciou um reajuste do preço dos combustíveis cobrados nas refinarias. O preço da gasolina aumentou 7,83%, e o do diesel, 3,94%. O Ministério da Fazenda, no entanto, anunciou, entretanto, a isenção da cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), de forma a evitar a alta no preço final pago pelos consumidores nas bombas.

Produção de etanol em queda

A União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) informou que está realizando um estudo, que será apresentado posteriormente ao governo federal, sobre a oferta de etanol no país para saber se há possibilidade de aumentar a mistura do alcool anidro na gasolina de 20% para 25%. A entidade lembrou que o preço da gasolina na bomba é definido pela Petrobras, que concentra mais de 90% do refino no país.

Segundo dados da Unica, a produção de etanol desde o início da safra 2012/2013 até 15 de junho somou 3,61 bilhões de litros, dos quais 965,55 milhões de litros de etanol anidro e 2,65 bilhões de litros de hidratado, uma queda de 32,63% comparando-se com o mesmo período em 2011.

Para que o país possa ter um novo ciclo de crescimento da produção de etanol, a Unica defende investimentos em novas unidades produtoras, além de incentivos e políticas que deem maior competitividade ao etanol como menor tributação, investimentos em infraestrutura e em tecnologia que elevem a eficiência dos motores flex.

Fonte: G1