Pesquisa IBGE comprova que mulheres precisam trabalhar mais para ganhar mesmo que homens

Pesquisa IBGE comprova que mulheres precisam trabalhar mais para ganhar mesmo que homens

IBGE: Mulheres precisam trabalhar 171 dias a mais para ganhar o mesmo que homens

As mulheres estão ganhando mais, mas ainda recebem muito menos que os homens. É o que se pode concluir a partir dos dados da pesquisa Estatísticas de Gênero 2014, apresentada pelo IBGE nesta sexta-feira (31).

Entre 2000 e 2010, o rendimento delas aumentou em 12%, enquanto o deles aumentou 8%. Isso quer dizer que estamos caminhando em direção à igualdade de gênero. Mas elas ainda recebem apenas 68% do que eles ganham.

Quando eles ganham R$ 10,00, elas ganham R$ 6,80.

Isso significa que, para ganhar o mesmo que o brasileiro médio ganha ao longo de um ano, a mulher teria de trabalhar o equivalente a 536 dias — cinco meses e meio a mais só para pagar o preço da desigualdade.

O número é resultado não só da diferença salarial entre cargos, mas da falta de representatividade feminina em posições tipicamente bem-remuneradas.

Além de ganharem menos, as mulheres também têm menor presença no mercado de trabalho: em 2010, último ano coberto pela pesquisa, 30% das mulheres de 16 anos ou mais não tinham qualquer tipo de rendimento. Entre os homens, a proporção era de 19,4%.

Os menores rendimentos têm sexo, cor e Estado de origem. Segundo a pesquisa, metade das mulheres pretas ou pardas do Nordeste ganha menos de um salário mínimo.

Em nível nacional, a proporção é de 33,7%.

Dupla disparidade

A diferença fica ainda mais gritante considerando critérios de gênero e de raça. Mulheres pretas ou pardas têm rendimento médio de R$ 727.

A quantia corresponde a pouco mais que um terço do rendimento médio de um homem branco (R$ 2.086).

 

Fonte: Bolsa de Mulher