Pesquisadores testam cultivo de maçã e pera no sertão nordestino

Essas frutas tradicionalmente se desenvolvem em clima mais frio.

Um projeto que envolve diversos órgãos públicos, incluindo a Embrapa e o Sebrae, experimenta fazer debaixo do sol forte do sertão do Ceará o cultivo de frutas que tradicionalmente se desenvolvem em clima mais frio. Pomares de maçã, pera e caqui estão em fase de teste no perímetro irrigado de Tabuleiro de Russas.


Pesquisadores testam cultivo de maçã e pera no sertão nordestino

Em uma região onde a chuva se esquece de chegar e a paisagem de deserto parece vocação tem sido possível reinventar a chuva suave e silenciosa dos aspersores. A esperança vem do açude Castanhão pelas veias de 82 quilômetros de canais. Banana e melancia ocupam mais espaço no perímetro irrigado de Tabuleiro de Russas. Mas aos poucos frutas inusitadas para o clima do Ceará, como sapoti, pera, maçã, caqui e cacau, conquistam lugar na propriedade.

Em apenas um ano, o pé de sapoti, que não alcança mais de dois metros de altura, tem boa produção. Em menos de dois anos de plantio, as árvores estão carregadas com pera das variedades páquimas e asiática.

?A gente faz um controle rígido da irrigação. A gente coloca a quantidade de agua ideal para essa planta se desenvolver. Aí nós iniciamos o processo de poda. A transição da poda com a diminuição da água é como se a gente estivesse induzindo a planta a produzir como se estivesse com um sistema de frio como no Sul?, explica o agrônomo Diógenes Abrantes.

Por enquanto, as culturas de clima temperado ocupam apenas 1,5 hectare do perímetro irrigado. Dentro de um ano, produtores e pesquisadores saberão se essas culturas merecem maior investimento. Os primeiros resultados favorecem o cultivo.

A maçã desponta aos poucos, mas a colheita irá ocorrer apenas em dezembro. A ideia é oferecer uma safra no momento em que os produtores do Sul e Sudeste só têm frutas congeladas para ofertar. O mesmo valerá para o caqui e para o cacau, que já tem sete variedades plantadas do perímetro.

Fonte: G1