PIB: mercado reduz a projeção de crescimento do Brasil para 2014

Na última sexta-feira, o Banco Central informou que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) recuou 1,35% em dezembro

Após sinais de fraqueza no final do ano passado, economistas de instituições financeiras reduziram com força a perspectiva para o crescimento da economia neste ano, ao mesmo tempo em que mantiveram o cenário para a política monetária mas elevaram a projeção para a inflação. De acordo com a pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira, a previsão de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano caiu a 1,79%, ante 1,90% na semana anterior.

Na última sexta-feira, o Banco Central informou que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) recuou 1,35% em dezembro, completando dois trimestres negativos, indicando que a economia entrou em recessão técnica no final de 2013.

Antes disso, o IBGE havia divulgado que as vendas no comércio varejista recuaram 0,2% em dezembro sobre o mês anterior, registrando em 2013 a menor expansão em dez anos. O IBGE divulga os dados do Produto Interno Bruto do quarto trimestre e de todo o ano de 2013 no próximo dia 27.

Para 2015 o Focus também apontou redução nas expectativas para a expansão da economia, de 0,10 ponto percentual, para 2,10%.

Em relação à inflação, para os economistas consultados o IPCA deve encerrar este ano a 5,93%, alta de 0,04 ponto percentual ante a expectativa do Focus anterior após duas semanas de redução das projeções. A meta do governo é de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

Para 2015, houve manutenção da expectativa em 5,70%. Já a projeção para a inflação nos próximos 12 meses subiu a 6,05%, ante 6,00%.

Juros

A perspectiva para a política monetária permaneceu inalterada, com os economistas vendo a taxa básica de juros (Selic) a 11,25% no final deste ano e a 12,00% no fim de 2015. Para a reunião da próxima semana do Comitê de Política Monetária (Copom) também não houve alteração na projeção de que a taxa básica de juros, atualmente em 10,50%, será elevada em 0,25 ponto percentual.

Depois de ter elevado a Selic em 0,5 ponto percentual no início deste ano, o Copom volta a se reunir nos próximos dias 25 e 26 de fevereiro, ainda com o cenário de inflação alta no radar.

Embora tenha dado sinais de desaceleração no início deste ano, atingindo em 12 meses em janeiro o menor nível em pouco mais de um ano, a expectativa é de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) volte a acelerar do patamar de 5,59%.

No Focus, o Top-5 de médio prazo, com as instituições que mais acertam as projeções nesse período, continua vendo um aperto monetário maior. A mediana das projeções aponta que a Selic encerrará 2014 a 11,75% e 2015 a 12,25%, sem alterações.

Fonte: Terra