"Pior da crise já passou", diz Lula

Lula citou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira (23), durante inauguração de unidade da Sadia em Vitória de Santo Antão (PE), que o ?período mais difícil? dos efeitos da crise financeira internacional no Brasil já passou.

?Eu acho que o período mais difícil nós já vivemos em outubro, novembro, dezembro e janeiro. Se vocês atentarem, o número de empregos do Caged do mês de fevereiro já não foi negativo, foi positivo. Nove mil empregos a mais foram criados em fevereiro. É pouco, mas é um sinal extraordinário?, disse o presidente.

Lula citou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgados na última quarta (18), que mostraram a abertura de 9,1 mil postos de emprego com carteira assinada no mês de fevereiro. Mesmo com a alta, foi o pior mês de fevereiro desde 1999.

Usando boné da empresa, Lula voltou a exortar governadores e prefeitos a investirem mais como forma de combater os efeitos da crise.

?O Eduardo [Campos, governador do estado] e os prefeitos sabem: a ordem é não parar nenhum obra, e aquela que poder trabalhar em dois ou tres turnos, vamos trabalhar porque esse é o período em que [a crise] se apresentou mais forte nos Estados Unidos, na Europa e no Japão. E ela pode trazer efeitos para cá?, disse.

Mais cedo, em entrevista a uma rádio pernambucana, o presidente já comparado as consequências da crise no país a "uma gripe em cabra macho".

"Este país não tem de ter medo de crise. É como uma gripe num cabra macho, ele vai trabalhar e não perde um dia de serviço por causa da gripe. Eu quero mostrar que existe uma crise, ela é grave, (o presidente dos Estados Unidos, Barack) Obama e os alemães têm mais problemas que o Brasil e nós vamos enfrentar essa crise trabalhando", disse.

SEM CONTENÇÃO

Ao elogiar a iniciativa da empresa de instalar uma fábrica no Nordeste, o presidente disse que "em vez de ficar chorando como alguns", os empresários devem "levantar a cabeça".

"Essa não é um crise que a gente tem que fazer contenção de despesas, ajuste fiscal. Essa crise, para que a gente vença ela, temos que fazer mais investimentos, gastar dinheiro com coisas que gerem projetos de infraestrutura, empregos e uma credibilidade na sociedade que estamos fazendo a coisa certa".

Lula também relembrou o pronunciamento sobre a crise que fez em cadeia de rádio e TV, em dezembro, em que pediu que as pessoas continuassem a consumir, e voltou a criticar a imprensa pelo noticiário supostamente negativo sobre o assunto.

?Hoje eu vim aqui dizer o seguinte: tem crise, que venha. Vamos enfrentar de cabeça erguida, criando alternativas. Porque se um presidente da República não faz isso? Se eu pegar os jornais de manhã e ler eu me meto debaixo da cama, não tenho nem vontade de sair. Tem horas que penso que o país acabou?, disse.

1 MILHÃO DE CASAS

Lula também reiterou que deve lançar, na próxima quarta-feira (25), ?mais uma resposta para a crise?, com o anúncio do programa de habitação do governo que promete construir 1 milhão de casas voltado a quem ganha de 1 a 10 salários mínimos.

?É o maior programa de habitação já anunciado no país. Se der certo, quem vier depois de mim tem que anunciar 2 milhões ou 3 milhões de casas?, disse.

Fonte: g1, www.g1.com.br