População de baixa renda tem dificuldade para comprar imóveis

Casal saiu do Feirão da Caixa sem financiamento; apesar do juro menor, baixa renda ainda tem dificuldades em adquirir um imóvel.

Nem a redução de juros dos financiamentos imobiliários trouxe ao casal Rosângela Alexandre Lopes Nascimento, 46, e José Cerqueira Nascimento, 73, a tão sonhada casa própria. O motivo: José ultrapassou o limite de idade atendido pelos financiamentos da Caixa Econômica Federal. "Quando souberam a idade do meu marido, eles (atendentes da Caixa) disseram que nem adiantava procurar, que o banco não financiava por causa de idade dele", disse.





"Você tenta ir atrás do sonho, correr atrás dos objetivos, mas não consegue", lamentou Rosângela, que pediu um dia de folga no emprego de segurança para visitar nesta sexta-feira, 18, o 8º Feirão da Casa Própria da Caixa em São Paulo. O evento acontece até domingo e reúne 217,5 mil ofertas de imóveis novos e usados.

Casados desde janeiro, eles deixaram a casa dos parentes para morar sob o mesmo teto. Os parcos recursos possibilitaram apenas o aluguel de um imóvel, mas a incerteza da moradia que não é própria tira o sono do casal. Moradores do Itaim Paulista, na zona leste da capital paulista, eles gostariam de comprar um imóvel na região onde residem, se possível 100% financiado. Os ganhos mensais de Rosângela e José somam cerca de R$ 2 mil e eles calculam que uma parcela de até R$ 450 caberia no bolso. Em 2002, José teve largar o emprego de motorista e se aposentar por invalidez, por conta de um desgaste excessivo no fêmur.

Apesar das taxas menores e de programas com o Minha Casa, Minha Vida, o mercado de imóveis ainda é inacessível para uma parcela da população de baixa renda. Um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aponta que, em São Paulo, 60% das famílias apresentam pelo menos um obstáculo para comprar um imóvel. Nesses casos, a baixa oferta de moradias do setor privado a preços acessíveis é a grande responsável pela situação. "Os déficits habitacionais em São Paulo e no Rio de Janeiro, em números absolutos, são os maiores do País e estão concentrados em famílias com renda de R$ 1,5 mil a R$ 1,6 mil", afirma Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

Madrugada. Mas no Feirão da Caixa, alguns sonhos conseguem se realizar e, na busca de um lugar na fila pela moradia, vale até chegar de madrugada. Foi o que fez o policial militar Carlos Alberto Buzin, 46. "Eu não sabia como funcionava, então cheguei às duas da manhã e fiquei dormindo no carro enquanto esperava abrir", diz. "Mas depois vi que não precisava, era só chegar antes do horário e pegar a fila".

Mas a "pontualidade" valeu o sonho de assinar o contrato do imóvel próprio. Buzin conseguiu acertar um contrato com a construtora MRV para a compra de um apartamento de dois dormitórios em Guarulhos. Dos R$ 150 mil do valor do imóvel, ele financiará R$ 110 mil pela Caixa em 360 parcelas. O juro, que ainda depende de contrato final assinado junto à Caixa, deverá ser de 4,5% ao ano - Carlos contribui há pelo menos 36 meses ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o que permite reduzir a taxa ainda mais. Agora, ele poderá deixar o lar dos pais e morar com a atual companheira, Cristiane de Ângelo Salinas, 35, com quem se relaciona há cinco anos.

"Eu cheguei a começar o financiamento de um imóvel quando era mais novo, mas acabei passando o imóvel para frente para uma família que precisava mais do que eu", conta. Desde então, ele tem morado com a família.

Projeção igual. Apesar das condições facilitadas com os juros menores do financiamento imobiliário, a Caixa prevê o mesmo volume de negócios no Feirão da Casa Própria em São Paulo registrados em 2011. Em números, a projeção é que serão 15 mil contratos e R$ 2 bilhões.

"Mas nossa estimativa é conservadora", afirmou José Urbano Duarte, vice-presidente de Governo e Habitação da Caixa. Mesmo assim, Urbano crê que seja possível ultrapassar esse patamar. O número de visitantes nos três dias do evento, contudo, deverá ser menor. A Caixa espera que 60 mil pessoas passem pelo Centro de Convenções da Imigrantes, contra 73 mil no ano passado.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br