Preços de batata, tomate e  cebola sobem 50% com inflação alta

Preços de batata, tomate e cebola sobem 50% com inflação alta

Consumidor deve procurar alternativas mais baratas enquanto custos não caem.

O prato de salada do brasileiro anda pesando na balança e essa não é apenas uma impressão do consumidor: de janeiro a setembro deste ano, o preço de tubérculos, raízes e legumes avançou 48,49%, muito acima do índice geral, de 3,77%, apurado pela inflação oficial, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Alimentos como tomate, cenoura, batata, cebola e mandioca estão chegando mais caros à mesa e elevando a cesta básica do brasileiro. A inflação deles está mais alta que a de carnes e peixes, que acumulam variação de 5,46% no ano, e também que a do frango, cujo índice teve aumento de 5,64% no período.

Segundo a assessora econômica da Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) Julia Ximenes, os meses de setembro e outubro não são muito propícios para os tubérculos.

? Não é um período de disponibilidade muito farta desses itens. Porém, há outros problemas afetando esses produtos in natura, como a ausência de chuvas, a necessidade de irrigação (o que aumenta o custo de produção) e o aumento do custo do frete. A pressão causada por esses fatores afeta o preço final dos alimentos.

Para driblar essa alta, os consumidores devem pesquisar os preços, recomenda Julia. Outra alternativa é tentar consumir, na medida do possível, produtos que tenham mais disponibilidade nesta época do ano e que não sofram tanto com os problemas climáticos.

? No caso dos legumes, pode-se incluir a berinjela e o aspargo, por exemplo.

A Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), que facilita a comercialização, distribuição e armazenamento de produtos hortifrutigranjeiros, confirma o encarecimento da batata na mesa do paulistano, como a diminuição da produção.

Os preços subiram 32,1% em setembro e o quilo passou de R$ 1,15 para R$ 1,52, informa o economista do Ceagesp Flavio Godas.

? De fato, problemas sazonais reduziram a produção e o volume ofertado de batata aqui na Ceagesp. A tendência é que a situação se normalize ainda neste mês.

O consumidor poderá sentir os alimentos aliviando o bolso ainda neste ano, afirma Julia. Em novembro, a safra já é mais favorável para os tubérculos e a inflação de batata, beterraba e cenoura começa a desacelerar.

A chegada das chuvas também vai beneficiar itens como nabo, pepino, pimentão e tomate, este último o vilão dos últimos meses.

Fonte: R7, www.r7.com