Preços do comércio exterior têm maior desvalorização em 13 anos

Preços do comércio exterior têm maior desvalorização em 13 anos

Com a freada da economia mundial, produtos que encabeçam a pauta de exportações brasileira se desvalorizaram a partir do ano retrasado.

Depois de um período de rara bonança, os preços dos produtos do comércio exterior do Brasil acumulam a variação mais desfavorável desde o final da década de 90.

Com a freada da economia mundial, produtos que encabeçam a pauta de exportações brasileira se desvalorizaram a partir do ano retrasado; de lá para cá, porém, as mercadorias importadas não ficaram mais baratas.


Preços do comércio exterior têm maior desvalorização em 13 anos

Dados coletados pela Funcex (Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior) apontam que, no período de 12 meses encerrado em março passado, houve piora de 4,5% nos termos de troca --a relação entre os valores do que é vendido e comprado pelo país.

A deterioração contabilizada desde 2012 é a mais aguda em 13 anos, ou seja, desde quando a crise dos países do Leste Asiático fez desabar os preços dos produtos primários agrícolas e minerais.

Não se trata de uma catástrofe: a despeito do revés recente, os preços do comércio internacional permanecem em um dos patamares mais favoráveis da história.

O Brasil, no entanto, perdeu um dos principais motores do crescimento econômico dos últimos anos. "É preciso ter clareza de que esse período extraordinário acabou", diz Otaviano Canuto, consultor do Banco Mundial para economias emergentes.

Por "período extraordinário", entenda-se o que vai de 2004 a 2011, quando os preços das exportações brasileiras tiveram alta de 150%, taxa inédita desde o "milagre econômico" dos anos 70.

Não por acaso, foi também a era de maior crescimento da renda nacional --em que o Produto Interno Bruto cresceu a uma média anual de 4,2%-- desde que a crise da dívida externa deu início à "década perdida" de 80.

O ciclo de prosperidade foi impulsionado pela ascensão da China, que multiplicou a demanda por commodities, como são chamados no comércio internacional produtos básicos tão diversos quanto a soja e o minério de ferro.

REVERSÃO

Fundamentais na pauta brasileira de exportações, commodities são mais sensíveis aos humores da economia global do que produtos mais elaborados como máquinas e equipamentos. Elas explicam tanto a melhora anterior quanto a piora recente dos termos de troca.

Os preços das vendas externas do país atingiram seu pico em agosto de 2011, aponta Rodrigo Branco, economista da Funcex. A queda, que chega a 5,5% nos 12 meses até março, foi puxada por minerais metálicos, metalurgia, alimentos e outros artigos.

"Há uma queda mais de longo prazo de preços de produtos nos quais o Brasil tem vantagens comparativas", afirma, citando como exemplo o ferro e a soja, prejudicados pela estagnação dos países ricos e a desaceleração da demanda chinesa.

Para Lia Valls Pereira, especialista em comércio exterior da FGV, o cenário atual não indica mais piora. "Os preços neste ano não estão subindo, mas pelo menos deixaram de cair."

Diferentemente do que ocorreu no auge da crise global, em 2009, a desvalorização dos exportados não foi acompanhada de um barateamento semelhante dos importados.

Combustíveis, produtos químicos, veículos automotores e máquinas sustentaram uma alta de 0,9% dos preços dos importados no ano passado. Nos 12 meses encerrados em março, há uma queda de 1,1%.

Fonte: Folha de São Paulo