Produção do pré-sal cresce 25% em novembro e quebra recorde

Pré-sal produziu 272 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Produção de gás natural superou recorde de outubro, segundo ANP

A produção de petróleo e gás natural no pré-sal em novembro aumentou 25,6% em relação ao mês anterior, batendo um novo recorde, informou nesta quinta-feira (3) a Agência Nacional de Petróleo (ANP). Foram produzidos 227,6 Mbbl/d de petróleo e 7,1 MMm3/d de gás natural, totalizando 272,1 Mboe/d. Em outubro, a produção no pré-sal somou 216,7 Mboe/d.

Segundo a ANP, dois novos poços iniciaram a produção nos campos de Jubarte e Marlim Leste, elevando o total de poços em reservatórios do pré-sal para 15: 2 em Jubarte, 4 em Lula, 2 em Marlim Leste, 1 em Barracuda, 4 em Baleia Azul, 1 em reservatório compartilhado pelos campos de Caratinga e Barracuda e 1 em reservatório compartilhado pelos campos de Marlim e Voador.

A produção de gás natural no Brasil foi de 73,3 MMm3/d, superando em 0,5% o recorde de outubro, de 73 MMm3/d. Em relação a novembro de 2011 o aumento foi de 8%.

Já a produção de petróleo cresceu 1,7% em relação a outubro, com cerca de 2.045 Mbbl/d. Somadas, as produções de petróleo e gás natural totalizam aproximadamente 2.506 Mboe/d, informou a agência.

Segundo a ANP, o campo de Gavião Real, operado pela OGX Maranhão, tornou-se o primeiro produtor na bacia do Parnaíba, com vazão inicial de 10 Mm3/d de gás natural. O campo com maior produção de gás natural foi o de Manati, na bacia de Camamu, com média de 6,3 MMm3/d e o campo com maior produção de petróleo foi Marlim Sul, na bacia de Campos, com média de 304,7 Mbbl/d.

Em novembro de 2012, 315 concessões operadas por 28 empresas foram responsáveis pela produção nacional com 771 poços marítimos e 8.268 terrestres. Cerca de 91% da produção de petróleo e 77% da produção de gás natural vieram de campos marítimos, e cerca de 94% de campos operados pela Petrobras.

Em outubro, a produção no pré-sal foi de 181,6 Mbbl/d de petróleo e 5,6 MMm3/d de gás natural, totalizando 216,7 Mboe/d, uma queda de 1,5% em relação a setembro. Mas ficou acima dos 200 Mboe/d pelo quarto mês consecutivo.

Fonte: G1