Protestos ampliam incertezas e apreensão de investidores

Ainda é cedo para avaliar os impactos da recente onda de protestos na economia brasileira e nos investimentos no País.

Ainda é cedo para avaliar os impactos da recente onda de protestos na economia brasileira e nos investimentos no País. Mas analistas e especialistas ouvidos pela reportagem ressaltam que investidores não costumam ser lá muito afeitos a incertezas ? e a única certeza desses protestos é que ninguém sabe ao certo como e em que condições vão terminar.

?Ao menos no curto prazo, os protestos não contribuem para aumentar a confiança na economia brasileira, que já vinha sofrendo com uma crise de credibilidade em função da recente desaceleração e de um cenário externo desfavorável?, diz Wilber Colmerauer, diretor da Emerging Markets Investments em Londres.

? Quem ia fazer algum investimento no Brasil provavelmente vai esperar um pouco para que a situação fique mais clara e também já temos informações de multinacionais que estão antecipando remessas de dividendo com medo de uma nova desvalorização do real.

Governo vê investidores saindo de forma "marginal" do Brasil por protestos

Para Colmerauer, no curto prazo, as tensões sociais devem contribuir para a saída de capitais e uma maior pressão cambial. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou a sessão de sexta-feira com uma baixa de 2,4%, atingindo 47.956 pontos, o menor nível desde abril de 2009. No ano, a queda já é de mais de 20%.

É claro que é preciso fazer uma distinção clara entre as expectativas do mercado financeiro e os investimentos diretos, de longo prazo, como ressalta Richard Lapper, diretor do Brazil Confidential, o serviço de análises sobre o Brasil do jornal britânico Financial Times.

A lua de mel dos mercados financeiros com o país já acabou há algum tempo ? com a desaceleração do PIB, o rebote da inflação, e a percepção de que o atual governo não está tão comprometido quanto seus antecessores com determinadas políticas de estabilização econômica.

Risco social

No front externo, a recente sinalização do banco central americano (FED) de que pretende limitar sua política de estímulos financeiros e voltar a aumentar os juros também está tendo um impacto negativo sobre o Brasil e outros emergentes. A expectativa, agora, é que um grande volume de capitais deixe esses mercados para ?voltar para casa?.

Para Colmerauer, com os protestos ?o risco social passará a ter de ser colocado na equação dos investidores?, ainda que no médio e longo prazo eles possam até ter um efeito benéfico se estimularem melhores políticas e práticas de governança. Já Neil Shearing, da Consultoria Capital Economics, acredita que perto desses dois outros focos de preocupação dos mercados com o Brasil o efeito das manifestações é pequeno.

? Ao que tudo indica, não há um risco político sério para o governo Dilma. Temos protestos em diversas partes do mundo e muitos não afetam a economia e cenários para os negócios.

Para os que fazem investimentos diretos na economia, segundo Lapper, uma das incógnitas que mais gera apreensão é como tais protestos vão impactar nas eleições do ano que vem.

? Até agora os índices de popularidade de Dilma eram altos e os contornos do cenário eleitoral pareciam estar razoavelmente bem definidos. Ao menos no ponto em que estamos, têm-se a impressão que qualquer resultado pode sair desses protestos em termos políticos. Afinal, há algumas semanas, quem poderia adivinhar que essa onda de manifestações ocorreria?

Lapper lembra que investimentos diretos vêm se mantendo em patamares relativamente elevados apesar da recente redução do ritmo de expansão do PIB. Isso em função da atratividade do mercado consumidor brasileiro (apesar da recente estagnação dos índices de consumo) e de setores como infraestrutura e gás e petróleo.

Em maio, por exemplo, a 11ª rodada de licitações de petróleo e gás da ANP (Agência Nacional de Petróleo) foi considerada um sucesso com uma arrecadação recorde de R$ 2,7 bilhões.

E na sexta-feira, enquanto Dilma se reunia com seu gabinete para discutir as manifestações, o Ministério de Minas e Energia publicou um edital confirmando para outubro o primeiro leilão de exploração do pré-sal sob o ?regime de partilha?? no qual a Petrobras integra os consórcios de exploração.

Recursos cruciais

Em 2013, espera-se que o Brasil receba um total de US$60 bilhões em investimentos estrangeiros diretos, menos que em 2012 (US$64 Bilhões) e em 2011 (US$66,6 bilhões), mas ainda uma quantia significativa. E diante do recente aumento das importações, tais recursos serão cruciais para fechar as contas externas do país. Por isso, uma redução poderia ser bastante problemática.

Para Marcos Troyjo, diretor do centro de estudos sobre BRICs da Universidade de Columbia, nos EUA, os protestos ?parecem ser essencialmente uma revolta contra o modelo brasileiro de capitalismo de Estado?.

? Os manifestantes pedem mais eficiência nos serviços do Estado. Acham que o que pagam de imposto não está sendo bem utilizado. Por isso, o modo como o governo tentará responder a essas demandas deve ter um impacto importantes na economia ? embora seja cedo para dizer se eles serão positivos ou negativos.

Lapper ressalta que o governo não tem, no momento, muita folga financeira para atender as reivindicações com promessas de mais investimentos e gastos.

? O governo se comprometeu com uma meta de superávit primário que alguns acreditam que terá dificuldade para alcançar e também tem de manter a inflação sob controle. Há limites no que pode fazer em termos de concessões.

Fonte: r7