Protestos contra preço de passagens faz inflação ficar menor em julho

Os protestos que tomaram as ruas do país em junho fizeram a inflação subir menos no mês.

Os protestos que tomaram as ruas do país em junho fizeram a inflação subir menos no mês, de acordo com Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ? 15 (IPCA-15), que é uma espécie de prévia da inflação oficial.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o indicador desacelerou para 0,07% em julho. No mês passado, o IPCA-15 tinha marcado 0,38%.

A queda nas despesas com transportes (que passou de uma inflação de 0,1% na prévia de junho para uma queda de preços de 0,55% em julho) e alimentação (que passou de uma inflação de 0,27% para uma queda de preços de 0,18%) favoreceram a queda do índice.

Os protestos ajudaram também a inflação a voltar a ficar abaixo do teto da meta do governo. No acumulado em 12 meses, o IPCA-15 registrou alta de 6,40%. A meta de inflação para 2013 e 2014 é de 4,5%, com intervalo de tolerância de dois pontos para mais ou para menos (ou seja, pode ir de 2,5% até 6,5%).

A equipe econômica do governo vem sendo muito criticada pelo atual nível de inflação. A presidente Dilma Rousseff inclusive teve que sair em defesa do ministro da Fazenda, Guido Mantega, garantindo sua permanência no posto.

Na quinta-feira (19), o Banco Central afirmou que a inflação ficará acima do centro da meta do governo neste ano e no ano que vem, ou seja, acima do patamar de 4,5%. Porém, não deve ultrapassar os 6,5% (teto da meta).

A desaceleração da inflação traz alívio para a equipe econômica do governo. Dilma Rousseff disse na semana que a inflação está em trajetória de queda nos últimos meses e que em julho ficará próxima de zero.

Ela afirmou, ainda, que a alta dos preços ficará dentro da meta do governo em 2013, ao rebater o que chamou de "posturas pessimistas" sobre a economia brasileira.

Entre os itens que individualmente mais contribuíram para uma taxa menor em julho estão o tomate, que ficou 16,78% mais barato em julho, o etanol (-3,71%), a gasolina (-0,69%) e ônibus urbano (-1,02%).

No setor de transportes, também tiveram influência importante para a redução do IPCA-15 os itens seguro voluntário (-1,82%), ônibus intermunicipal (-0,91%), metrô (-2,02%) e trem (-1,15%). O IPCA-15 acumula taxas de 3,52% no ano e de 6,4% nos últimos 12 meses.

Fonte: UOL