Queiroz Galvão diz que petroleira de Eike Batista deve R$ 73 milhões

A OGX comprou a sua participação na concessão da Petrobras no ano passado, por US$ 270 milhões.

A Óleo e Gás Participações, ex-OGX, deixou de pagar R$ 73 milhões relativos a sua participação no bloco BS-4, na Bacia de Campos, informou a Queiroz Galvão Óleo e Gás, operadora e parceira da petroleira de Eike Batista na área exploratória.

A QGEP relatou a inadimplência da sócia à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), de acordo com comunicado divulgado ao mercado nesta sexta-feira.

"O valor não aportado pela OGX está sendo suportado pelos consorciados adimplentes em 50% cada", disse a QGEP.

O bloco, que deu origem aos campos de Atlanta e Oliva, é desenvolvido pelo consórcio formado pela Queiroz Galvão Exploração e Produção (30%), Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás Ltda (30%) e pela petroleira de Eike (40%).

A OGX comprou a sua participação na concessão da Petrobras no ano passado, por US$ 270 milhões.

"A Companhia (QGEP) aguarda o posicionamento da ANP acerca do tratamento jurídico a ser dado pela agência para o descumprimento da OGX, enfatizando que todas as medidas necessárias para solução da questão serão tomadas pelo consórcio em consonância com as determinações da ANP, nos termos da lei e dos contratos aplicáveis."

A despeito da inadimplência, a ex-OGX, que está em processo de recuperação judicial, continua contando com as atividades do bloco, segundo informações dadas por seus executivos em encontro com investidores nesta semana.

Segundo os executivos, a petroleira e seus sócios estudam perfurar no pré-sal do bloco, que fica ao lado da gigantesca área de Libra, na Bacia de Santos.

A companhia de Eike informou que o bloco BS-4 terá um sistema de produção antecipado para extrair inicialmente 25 mil barris petróleo por dia. Depois da implantação do sistema definitivo da área, estimado para 2018, a produção deverá alcançar 80 mil barris diários.

Fonte: UOL