Receita vai iniciar operações contra fraude no IR

Receita vai iniciar operações contra fraude no IR

Operações desse tipo agora (em período de entrega da declaração do IRPF) são para mostrar que estamos presentes e atentos.

O subsecretário de fiscalização da Receita Federal, Marcos Neder, informou nesta quinta-feira (29) que novas operações de combate a fraude em declarações do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física) serão iniciadas nos próximos dias em todo o País.

Com a operação "Risco Duplo", no Distrito Federal, a receita desmontou um esquema de fraudes para reduzir em até 80% a base de cálculo do Imposto de Renda. O esquema era feito por meio de escritórios de contabilidade. Além de deixar de pagar o imposto devido, os contadoras "montavam" a declaração para que o contribuinte tivesse restituição do IR.

- Operações desse tipo agora (em período de entrega da declaração do IRPF) são para mostrar que estamos presentes e atentos.

Segundo Neder, há casos de declarações com restituição a receber de até R$ 50 mil. Ele explicou que o grupo de inteligência fiscal da Receita identificou um padrão de declarações em que os contribuintes declaravam vários planos de saúde, muitos dependentes e despesas médicas elevadas com recibos "frios". Foi verificado que esse padrão se repetia em anos anteriores dos mesmos contribuintes. Com a ajuda de sistemas de tecnologia de informática, os fiscais chegaram até os computadores de onde foram enviadas as declarações.

A estimativa é que operação no Distrito Federal gere um crédito tributário (imposto devido, multas e juros) de R$ 100 milhões. Depois da operação, que apreendeu documentos e computadores em oito locais do Distrito Federal, o foco agora das investigações será nos contribuintes que apresentaram a declarações por meio desses escritórios.

- Pelo valor das restituições, é improvável que eles não estejam envolvidos.

Comprovada a fraude, eles terão de pagar o imposto devido com multa de até 150% e estão sujeitos a responder na Justiça por crime contra ordem tributária. A pena nesses casos varia de dois a cinco anos. O dirigente da Receita acredita que muitos deles vão agora "correr" para retificar as declarações.

Fonte: r7