Redução na tarifa de energia dos consumidores deve ficar em 16%

A redução deve ser anunciada hoje pela presidenta Dilma em cadeia de rádio e TV.

A presidente Dilma Rousseff vai dizer hoje, em seu pronunciamento sobre a Independência, que o país já voltou a crescer e que seu governo adotará medidas para reativar a economia, entre elas a redução das tarifas de energia elétrica.


Redução na tarifa de energia dos consumidores deve ficar em 16%

A queda nas tarifas para os consumidores residenciais vai chegar na casa dos 15% se prevalecer número defendido por uma ala do governo. Dilma definiu o índice em 16,2% e chegou a gravar a primeira versão de seu pronunciamento com este número.

Até a semana passada, os técnicos trabalhavam com uma redução de 10% na conta de energia residencial, mas assessores presidenciais defendiam que o percentual fosse elevado para ficar mais próximo do que será concedido para a indústria.

Para o setor industrial, a redução deve variar de 12% a 28% --a média deve ficar na casa dos 20%.

O corte na tarifa da indústria vai variar de acordo com a tensão. As empresas de uso intensivo de energia, como alumínio, podem ter uma diminuição de até 22%.

A medida será anunciada formalmente na próxima terça, em encontro da presidente com um grupo de empresários no Palácio do Planalto

Na ocasião, será editada medida provisória retirando encargos federais da conta de energia e autorizando a renovação de concessões de usinas hidrelétricas.

Em seu pronunciamento, a presidente vai listar o que já foi feito pelo governo para enfrentar a crise econômica internacional, como as reduções de impostos e as concessões de rodovias e ferrovias.

Vai anunciar ainda as novas medidas, como a redução da tarifa de energia elétrica e a inclusão de mais setores no grupo de empresas beneficiadas pela desoneração da folha de pagamento.

Dilma vai destacar que, apesar de ter sido atingido pela crise, o Brasil manteve desemprego baixo no período e que, a partir de agora, o país voltará a crescer mais fortemente.

O governo avalia que a economia estará crescendo num ritmo de 4% no final deste ano, o que não impedirá, porém, que o país cresça abaixo de 2% durante todo ano.

Dilma vai lembrar ainda que, em seu governo, o Banco Central reduziu os juros de 12,5% para 7,5% desde agosto de 2011, fazendo com que a taxa real caísse para a faixa de 2% --meta que antes imaginava conseguir no fim de seu governo, mas que foi possível antecipar por causa da desaceleração econômica.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br