Reestruturação não afetará GM do Brasil, diz presidente

Subsidiária reforça independência e anuncia novos investimentos.

"Vamos mudar de dono, ser parte da "nova GM". Mas não somos parte do processo de recuperação judicial". Com essa afirmação, o presidente da General Motors do Brasil e Mercosul, Jaime Ardila, garantiu nesta terça-feira (2) que a subsidiária não será afetada pelo processo de reestruturação da matriz.

Em entrevista concedida na fábrica da montadora em São Caetano do Sul, no ABC paulista, Ardila acrescentou que a GM do Brasil mantém os investimentos no país que chegam hoje a US$ 2,5 bilhões, que começaram a ser aplicados em 2007 e vão até 2012. O valor será voltado para o desenvolvimento de novos produtos e ampliação de fábrica. De acordo com o presidente da GM do Brasil e Mercosul, o Brasil além de ter recursos próprios para realizar os investimentos, vende serviços de engenharia e design para outras fábricas da montadora pelo mundo.

saiba mais

Concordata garante recuperação da GM, dizem economistas GM não pedirá concordata no Canadá "Quebra da GM teria sido um desastre", diz Obama Concordata da GM não afetará operações no Brasil, diz montadora Entenda o Capítulo 11 da lei de falências americana Veja a linha do tempo da crise da GM General Motors recorre à concordata nos EUA EUA anunciam concordata da GM e o fechamento de 11 fábricas

--------------------------------------------------------------------------------

Assim, nos últimos três anos, arrecadou receita líquida de US$ 430 milhões. "Somente em 2008, tivemos US$ 165 milhões em serviços tecnológicos prestados para fábricas em outros países", observou Ardila sobre a independência financeira da subsidiária.

Mercado brasileiro

Ardila reforça ainda que o mercado brasileiro continua a ser o terceiro mais importante para a montadora. Segundo ele, a marca Chevrolet registrou em maio a venda de 47.800 unidades, ou seja, superou em 2% as vendas de maio de 2008, que havia sido o melhor mês de maio para a montadora, e 17% acima de abril de 2009.

"Temos uma confiança muito grande que o mercado brasileiro vá continuar forte", afirma Ardila. Segundo ele, a GM continua com participação de mercado acima de 20% no Brasil, o que é meta da montadora.

Foto: Daigo Oliva/G1 O protótipo Chevrolet GPiX poderá servir de base para o projeto Viva (Foto: Daigo Oliva/G1) Reforço de US$ 1 bilhão

Dos US$ 2,5 bilhões que a GM investe no país, US$ 1 bilhão foi anunciado hoje como reforço, que serao, segundo o executivo, "A GM do Brasil tem recursos próprios para isso, entretanto, vai avaliar no futuro se financiar uma parte em bancos como o BNDES", disse Ardila.

O que a GM pode garantir agora é que US$ 500 milhões deste total já foram investidos no projeto Viva - uma nova linha de automóveis - que terá como base o conceito GPiX exibido no Salão do Automóvel de São Paulo de 2008. O primeiro produto da nova linha, um hatch nos padrões do Corsa, começa a ser fabricado na Argentina no segundo semestre deste ano. Este será o principal lançamento da General Motors no Mercosul. Para 2010, estão previstos mais quatro lançamentos, entre eles, mais um modelo da linha Viva.

Outra parte do investimento será destinada para a construção da fábrica de motores de Joinville (SC), que aguarda autorização ambiental para terminar a terraplanagem e começar a construção das estruturas. Outros US$ 500 milhões serão voltados para o desenvolvimento de novas plataformas de veículos para projetos futuros.

Empregos

Jaime Ardila afirma que as fábricas da GM no país estão produzindo em capacidade máxima, mas isso não significa que a empresa vá fazer novas contratações. Segundo o presidente da GM do Brasil, a montadora está em negociação com sindicatos do setor automotivo para aumentar as horas trabalhadas. "Garantimos ao governo que iríamos manter os níveis de emprego até o momento em que o benefício da redução do IPI fosse prorrogado. Quando esse benefício acabar (a previsão é 30 de junho), vamos ver como o mercado vai se comportar e se iremos fazer novos contratos fixos ou temporários."

Opel

Em relação à venda de parte da Opel - 35% da filial européia continuará sendo da GM, 10% serão dos funcionários da montadora, 20% da Magna e 35% do banco russo Sberbank - Ardila destaca que nada será mudado. Segundo ele, o Brasil trará apenas uma plataforma desenvolvida na Europa. Como a engenharia da GM é globalizada, o país poderá tanto desenvolver novos produtos quanto importar de qualquer outro país que tenha um centro de engenharia. Ou seja, a Chevrolet não depende da engenharia da Opel para ter produtos. "O Meriva, por exemplo, foi desenvolvido no Brasil e logo depois foi para o mercado europeu", exemplifica Ardila.

O executivo reforça que a GM do Brasil deverá optar por projetos desenvolvidos na Coreia do Sul. Em relação às importações de produtos dos Estados Unidos, Ardila diz que é possível que cheguem veículos fabricados nas plantas norte-americanas apenas para complementar a linha de produtos. O volume seria abaixo de 15 mil unidades por ano.

Fonte: g1, www.g1.com.br