Resultado do leilão de aeroportos foi além das expectativas, afirma Dilma

Resultado do leilão de aeroportos foi além das expectativas, afirma Dilma

A rodada de concessões de aeroportos brasileiros garantiu ao governo uma arrecadação de R$ 20.838.888.000.

A presidente Dilma Rousseff comentou o leilão dos aeroportos do Galeão e de Confins, ocorrido nesta sexta-feira (22), e disse que o resultado foi "muito bom" e "muito além das expectativas". A rodada de concessões de aeroportos brasileiros garantiu ao governo uma arrecadação de R$ 20.838.888.000. O valor representa um ágio de 251,74% em relação ao mínimo fixado pelo governo, de R$ 5,9 bilhões.

?O resultado do leilão é muito bom. Foi um resultado, de alguma forma, muito além das expectativas (?) Então, o total arrecadado com os dois leilões dá 20 bilhões oitocentos e alguma coisa. O que é muito importante porque não só evidencia o interesse dessas empresas, porque quem ganhou são grandes empresas de aeroportos", disse a presidente em Fortaleza, onde participou de anúncio de investimentos em mobilidade urbana.

O aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, foi arrematado por R$ 19 bilhões (ágio de 293,91%) pelo consórcio Aeroportos do Futuro. Já o de Confins, em Minas Gerais, foi arrematado por R$ 1,82 bilhão (ágio de 66%), pelo consórcio AeroBrasil. Os lances mínimos eram de R$ 1,096 bilhão para Confins e R$ 4,828 bilhões para o Galeão.

Dilma enfatizou que o saldo do leilão mostra "interesse" de empresas no país. "Mostra o interesse imenso dos investidores no Brasil, investidores internacionais no Brasil?, afirmou.

Para Dilma os "pessimistas" que, segundo ela, torciam para o leilão dar "errado", vão ter um dia de "amargura".

"Aqueles pessimisitas, incrédulos, hoje infelizmente vão ter um dia de amargura, porque não deu errado. Vou repetir, não deu errado. No Brasil tem uma coisa muito triste, torcem para dar errado. Mais uma vez não deu errado", disse.

A presidente argumentou que a licitação de aeroportos permite uma "combinação fundamental" para o governo, que é unir "grandes operadoras de aeroportos do mundo e as grandes empresas capazes de construir aeroportos no Brasil".



Fonte: G1