Saiba como evitar problemas com o seu cartão de crédito no exterior

Cartão é principal forma de pagamento nas compras dos brasileiros lá fora

Recentes recordes nos gastos dos brasileiros no exterior impulsionam também as transações lá fora com cartões de crédito, a principal forma de pagamento nessas compras. Em alguns casos, porém, problemas na hora de usar o ?dinheiro de plástico? internacional estragam a viagem de muitos consumidores, como bloqueios de compras e de saques. Se provada falha do banco, é possível pedir na Justiça indenização pelos prejuízos e danos causados. Especialistas dão dicas de como prevenir dores de cabeça e garantir o passeio.

Em 2008, a advogada Letícia Brossard Lolovitch, de 34 anos, teve as compras no cartão de crédito negadas em meio a uma viagem a Nova York. ?Eu tentei falar com o banco, mas eles ficavam passando a ligação de um departamento para o outro (...) e não me davam nenhuma explicação?, revela. Por conta do imprevisto, Letícia precisou fazer uma série de restrições até o final da viagem, como deixar de ir a passeios, além de precisar pedir dinheiro emprestado a uma amiga. ?Minha viagem mudou a partir daquele momento?, diz.

A advogada, que mora do Rio Grande do Sul, diz que avisou o banco com antecedência sobre o passeio e que se planejou para ter limite disponível para os gastos nos Estados Unidos. ?Eu costumo ser bastante precavida. Foi uma grande arbitrariedade do banco?, sugere.

Ao voltar ao Brasil, descobriu que a instituição enviou uma carta, no período da viagem, informando que fez o bloqueio porque detectou o uso do cartão nos EUA em uma loja suspeita, com histórico de fraude. Ela entrou na Justiça e quatro anos depois, em 2012, recebeu indenização de R$ 10 mil pelos danos causados.

Dicas para usar o cartão de crédito no exterior

Cartão internacional

Certifique-se de que o cartão pode ser usado no exterior. É necessário que a modalidade seja ?internacional?. Antes de solicitar o serviço, compare custos e leia com atenção o contrato antes da aquisição

Desbloqueio

Avise o banco com antecedência sobre a viagem para que seja feito o desbloqueio do cartão para uso no exterior

Assine o verso do cartão

Em muitos países a leitura do cartão é feita apenas pela tarja magnética (no Brasil a tecnologia do chip é mais disseminada). Como não há a necessidade de digitar senha, é solicitada a comprovação da assinatura do portador

Central de atendimento

Anote e carregue durante a viagem o telefone da central de atendimento do cartão. Em caso de perda ou roubo, entre em contato imediatamente e peça o bloqueio. Avise autoridades locais

Comodidades

Confira promoções, assistências, seguros e serviços oferecidos pelo cartão que podem facilitar a viagem

Pagamento

Para conversão das compras feitas em moeda estrangeira com o cartão, a cotação válida é a do dia do pagamento da fatura. Caso haja variação cambial entre o fechamento e o pagamento da fatura, a diferença é considerada no próximo vencimento

Imposto

A alíquota do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) sobre gastos com cartão de crédito no exterior é de 6,38%. Para ?fugir? do imposto, o consumidor pode optar por outras formas de pagamento, como cartão de débito pré-pago ou travelers cheques (com IOF de 0,38%)

Planejamento

Antes de viajar, planeje os gastos no exterior. O cartão de crédito deve ser usado de forma consciente para não ocorrerem sustos na hora de pagar a fatura

Precauções

Em caso de bloqueio inesperado do uso do cartão, lembre-se de guardar comprovantes de gastos extras realizados, além de número de protocolos de ligações para o banco. Se provada falha da instituição, as provas colaboram para o pedido de indenização na Justiça

Segurança

Por questão de segurança, as instituições possuem sistemas rígidos de controle das transações lá fora, explica Henrique Takaki, coordenador do Comitê de Segurança e Prevenção a Fraudes da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). ?As características antifraude aqui são mais evoluídas do que em muitos países lá fora (...). Se uma pessoa clonou o seu cartão e foi para os EUA, lá eles praticamente não têm terminais que leem chips, muitos só leem tarja?, diz.

Para evitar problemas, a Abecs tem como principal orientação que o consumidor avise o banco sobre a viagem antes de deixar o país, de forma que a instituição possa desbloquear uso internacional. Oura dica é levar o telefone da central de atendimento da instituição para possíveis emergências. Também é importante memorizar as senhas ou não deixá-las guardadas no mesmo lugar que o cartão. Verificar o limite disponível para gastos antes de viajar também é importante.

A supervisora de assuntos financeiros da Fundação Procon-SP, Renata Reis, esclarece que é obrigação dos bancos detalhar, em contrato cedido previamente ao consumidor no ato da contratação, qualquer tipo de restrição de uso do cartão em viagens. O documento também precisa prever as formas de cobrança das faturas com relação a taxas e conversões. ?É preciso estar discriminado onde o cliente pode utilizar o cartão, como, se há limite, como vai ser feita a contabilização do pagamento e quais canais de atendimento o consumidor deve procurar.?

A especialista recomenda, ainda, que o consumidor entre em contato com a central de atendimento do banco antes da viagem para tirar dúvidas a respeito das regras com relação ao uso do cartão no exterior.

Ela afirma que não há uma legislação específica sobre os direitos do consumidor com relação aos cartões de crédito, mas que as regras são previstas no Código de Defesa do Consumidor (CDC). ?Nada que não for incluído em contrato pode ser alegado posteriormente pelo banco?.

Indenização

No caso de Letícia, contudo, ela tinha avisado o banco sobre a viagem e mesmo assim teve o cartão bloqueado, por isso conseguiu a indenização. ?O banco pode solicitar ao consumidor que comunique para fazer o desbloqueio, [ação] que está associada a algumas regras de segurança (...). Quando o consumidor avisa, o banco não pode bloquear esse cartão?, avalia Roberto Pfeiffer, professor da pós-graduação da direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Caso passe por tal situação, o especialista recomenda que o consumidor guarde todas as provas dos prejuízos (como comprovantes de gastos extras, números de protocolos de ligações para o banco, depoimentos de testemunhas etc).

?Quando negaram as minhas compras, eu pedi em diversos estabelecimentos um recibo [com a informação] de que a compra tinha sido negada. Qualquer problema que puder ser comprovado materialmente, deve-se guardar?, diz a advogada Letícia.

Nesses caso, é possível procurar o banco no retorno da viagem para conseguir os reparos. Caso não sejam feitos, há a possiblidade de buscar a ajuda de associações de defesa do consumidor ou os direitos na Justiça.

Planejamento financeiro

Além disso, os especialistas alertam sobre a importância de o consumidor fazer um planejamento sobre as formas de pagamentos a serem usadas durante a viagem. Um detalhe importante com relação ao cartão é que nem todos podem ser usados no exterior, apenas aqueles da modalidade internacional. A Abecs orienta que o consumidor compare os custos e leia atentamente o contrato antes de adquirir um.

Outro alerta da Abecs é com relação à conversão das compras feitas em moeda estrangeira. A cotação válida é a do dia do pagamento da fatura e, caso haja variação cambial entre o a data de fechamento da fatura e o pagamento da mesma, a diferença será considerada no próximo vencimento, esclarece a entidade.

O coordenador Takaki lembra, ainda, que algumas lojas oferecem a opção de fechar o câmbio na data da compra. ?O consumidor tem que avaliar o que é mais vantajoso?. Além disso, ele diz ser importante contar com outras formas de pagamento além do cartão de crédito em caso de emergências, como cartões de débito pré-pagos.

É importante também ficar atendo ao limite do cartão antes de ir viajar, em caso de imprevistos. O advogado Alberto Barbella Saba, de 29 anos, por exemplo, passou por um sufoco. Ele precisou comprar uma passagem de última hora em uma viagem pela Europa e não tinha limite disponível no cartão. Precisou pegar dinheiro emprestado com um amigo para fazer a compra. ?Eu precisei comprar uma passagem aérea fora do que estava planejado, que ficava muito carro. O cartão bloqueou porque não tinha limite?, explica.

Fonte: G1