Saiba como planejar o futuro das finanças de acordo com sua idade

Saiba como planejar o futuro das finanças de acordo com sua idade

Nesse projeto, o dinheiro pode ser um aliado ou um inimigo, depende de como a pessoa lida com ele.

É possível fazer um planejamento financeiro adequado para cada idade? Sim. Segundo Reinaldo Domingos, presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) e da DSOP Educação Financeira, os objetivos financeiros vão se definindo de acordo com a idade e a realidade em que a pessoa vive.

"Esses objetivos são mutáveis. O que vai definir o sucesso ou o insucesso de uma pessoa será a maneira como ela elabora seu projeto de vida: seus sonhos e desejos, tanto pessoais quanto profissionais. Nesse projeto, o dinheiro pode ser um aliado ou um inimigo, depende de como a pessoa lida com ele."

Faça uma reserva de emergência

Para o planejador financeiro Valter Police, do IBCPF (Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros), independentemente da idade, há duas providências recomendáveis a seguir.

A primeira é manter uma reserva de emergência, cujo montante vai variar de acordo com a estabilidade da renda. Um profissional com renda mais assegurada, como um funcionário público, pode guardar três vezes o valor de suas despesas.

Já um profissional que não sabe quanto irá receber a cada mês, como um autônomo, deve juntar 12 vezes o valor de suas despesas mensais.

Planeje sua aposentadoria

A outra providência é se preocupar, desde muito jovem, com a hora de se aposentar. A ideia é alongar o esforço de poupança no tempo para que ele seja menor.

Alguém que comece a poupar desde os 20 anos para a aposentadoria pode dedicar 10% da sua renda para este fim. Já uma pessoa que só pense na aposentadoria aos 50 anos, terá de fazer um esforço enorme de poupança, guardando mais de 30% da renda, além de diminuir os gastos e se conformar em adotar um padrão menor do que o que tem ao se aposentar.

1) É possível fazer um planejamento financeiro adequado para cada idade? Reinaldo Domingos, da DSOP Educação Financeira, e Valter Police, do IBCPF (Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros), dão dicas do que priorizar nas finanças ao longo da vida.

2) Durante toda a vida, a pessoa deve fazer uma reserva de emergência que cubra de 3 a 12 meses de despesas, dependendo da estabilidade da renda.

3) 20/30 anos: Nesta fase, a principal preocupação deve ser com o aprimoramento profissional. O dinheiro gasto em cursos e educação é considerado o investimento com maior retorno, que vem na forma de melhores salários. A capacidade de poupança é grande. Poupe para a aposentadoria e compra da casa própria.

4) 30/40 anos: O maior patrimônio dessa idade é a capacidade produtiva. É importante fazer seguros de vida e de saúde e para proteção do patrimônio como casa e carro. O casamento e os filhos costumam chegar nessa fase, o que obriga a revisar o orçamento. A dica é poupar sempre e não comprometer mais de 25% da renda com prestações.

5) 40/50 anos: Esta é a fase em que a renda normalmente atinge o ápice. Por isso, quem já está acumulando um pé-de-meia para a aposentadoria deve aumentar o valor dos aportes. Quem não juntou nada para a aposentadoria terá de fazer cortes nos gastos para poupar o máximo que puder, pois não há mais tempo a perder.

6) 50/60 anos: Nesta fase, embora o profissional tenha grande experiência, as oportunidades de trabalho diminuem muito. Se a renda da aposentadoria não for suficiente para viver, é preciso procurar uma segunda profissão ou outra alternativa de renda. Deve destinar o máximo possível da renda para a poupança da aposentadoria.

7) Mais de 60 anos: É a hora de colher os frutos de tudo o que fez na vida. Se poupou para viver com tranquilidade, poderá viajar, fazer algo que gosta, como ser voluntário, ou até mesmo trabalhar, mas, nesse caso, por prazer, não por necessidade. Se não o fez, a saída será se adaptar ao novo estilo de vida. Os investimentos devem ser todos conservadores pois não se pode mais correr riscos.

Fonte: UOL