Saída da Ocean Air aumenta preço das passagens em THE

m nota, a empresa aponta a alta do preço dos combustíveis e a necessidade de maior eficiência

A partir do pr?ximo m?s o aeroporto de Teresina vai contar com uma empresa a?rea a menos. A Ocean Air deixa de atuar na capital e em mais 15 cidades brasileiras. Para a Infraero, a sa?da da empresa n?o vai causar impacto no d?ficit de v?os em Teresina, mas sim um aquecimento no valor

das passagens.

Apesar de ser considerada a empresa de pre?os mais acess?veis do mercado, a Ocean Air n?o tem participa??o expressiva no mercado. Atualmente apenas um v?o sai diariamente da capital. Em nota, a empresa aponta a alta do pre?o dos combust?veis e a necessidade de maior efici?ncia operacional como fatores determinantes para que decidisse cancelar suas opera?es em cidades onde o pequeno n?mero de usu?rios

n?o cobriria os custos de opera??o.

Para o Superintendente da Infraero, Ant?nio Nogueira, a sa?da da empresa n?o foi uma surpresa , j? que a mesma s? operava uma vez por dia em Teresina. ?N?o vamos ter muito preju?zo, pois o ?nico v?o di?rio com 80 assentos ainda saia daqui quase vazio?, diz.

Em contrapartida, a sa?da da empresa foi um prato cheio para as demais concorrentes. Um dos fatores que determina a alta dos pre?os das passagens a?reas ? a concentra??o do mercado. Com a sa?da da Ocean Air, apenas as empresas TAM e GOL permanecem atuando em Teresina, o que deve aumentar ainda mais os pre?os das passagens.

O primeiro semestre deste ano, o valor das viagens a?reas apresentou um reajuste substancial de mais de 40%. Ainda de acordo com Ant?nio Nogueira, apesar de um incremento de 30% ocorrido em 2007 no n?mero

de usu?rios, a pouca demanda de passageiros no aeroporto Petr?nio Portela n?o atrai investimentos das empresas a?reas. Em 2007, o aeroporto de Teresina registrou menos de meio milh?o de usu?rios.

O reflexo disso s?o as poucas op?es de v?os. Al?m disso, a grande reclama??o dos usu?rios ? referente ?s escalas. Para viajar para S?o Lu?s,

por exemplo, o passageiro teresinense tem que fazer escala em Bras?lia. ?O percurso de 30 minutos se multiplica para duas horas?, acrescenta o Superintendente. Segundo ele, as empresas n?o disponibilizam v?os diretos para otimizar os lucros das viagens.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte