Grupo Santander negocia compra do banco Cruzeiro do Sul

Grupo Santander negocia compra do banco Cruzeiro do Sul

O Santander aparece como uma "surpresa", já que não figurava entre os principais candidatos para a compra do Cruzeiro do Sul

O Santander Brasil, de capital espanhol, estaria interessado em assumir o controle do banco Cruzeiro do Sul e mantinha conversas com o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), o administrador da instituição nomeado pelo Banco Central (BC), segundo reportagem publicada pelo jornal "Valor Econômico", nesta quinta-feira (13).

O banco Cruzeiro do Sul está sob intervenção do Banco Central desde o início de junho, por descumprir regras do sistema financeiro. Na época da intervenção, o banco tinha patrimônio negativo de R$ 2,237 bilhões.

De acordo com o "Valor", o negócio poderia ser fechado ainda hoje. O Santander aparece como uma "surpresa", já que não figurava entre os principais candidatos para a compra do Cruzeiro do Sul.

A data limite para recebimento das propostas era sexta-feira passada, mas nenhuma das seis instituições que analisaram os números (do banco) mostrou interesse.

O plano de recuperação do Cruzeiro do Sul envolve, além da oferta de comprador, reestruturação de seu endividamento.

Intervenção do BC

O Banco Central decretou Regime de Administração Especial Temporária (Raet) no Banco Cruzeiro do Sul por 180 dias após ter identificado descumprimento de regras do sistema financeiro.

A autoriade monetária também instituiu pelo mesmo prazo o Raet nas empresas do grupo Cruzeiro do Sul, que incluem Cruzeiro do Sul Corretora de Valores e Mercadorias, Cruzeiro do Sul DTVM, e Cruzeiro do Sul Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros, informou o BC em comunicado.

Segundo o BC, foi identificada "insubsistência em itens do ativo", mas a autoridade não informou detalhes.

Por meio do Raet, o BC substitui os dirigentes da instituição por um conselho de diretores ou por uma pessoa jurídica especializada para corrigir procedimentos operacionais ou eliminar deficiências que possam comprometer o funcionamento.

Como resultado da intervenção, o BC nomeou o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) como administrador especial temporário do Cruzeiro do Sul. Para os clientes, o banco funciona normalmente.

Histórico negativo

Não é de hoje que o banco Cruzeiro do Sul atravessa problemas. Com quase 20 anos nas mãos da família Indio da Costa, a instituição coleciona um histórico recente marcado por balanços reprovados por auditores, acusação de desvio de recursos e investigações por parte das autoridades.

A lista de tropeços do Cruzeiro do Sul começou a vir à tona em 2008, um ano depois de o banco estrear na bolsa de valores, vendendo cerca de R$ 645 milhões em ações. Desse valor, os Indio da Costa embolsaram R$ 150 milhões.

A instituição, que tinha R$ 2,6 bilhões em operações de crédito consignado, estreou valendo R$ 2,15 bilhões.

Em setembro de 2008, a massa falida do banco Santos acusou, em um processo judicial, o Cruzeiro do Sul de ter desviado R$ 206,2 milhões dos credores da instituição que pertenceu a Edemar Cid Ferreira. O caso ainda está correndo na Justiça.

Um ano depois, no fim de 2009, o banco anunciou a intenção de fazer uma nova oferta de ações, em uma operação que somaria R$ 400 milhões, entre novos recursos para o Cruzeiro do Sul e a venda de parte das ações dos Indio da Costa. Logo, porém, o processo foi abortado, em meio a uma sucessão de episódios negativos.

Em janeiro de 2010, o Banco Central começou a questionar as operações do Cruzeiro do Sul de venda de carteiras para fundos de direitos creditórios. Depois desse repasse, o próprio banco comprava as cotas do fundo, em operações que, para o Banco Central, poderiam ser irregulares.

No mês seguinte, foi a vez de a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) fazer marcação cerrada em cima do banco. A autoridade mandou o Cruzeiro do Sul republicar seus balanços de 2008 e 2009 sob o argumento de que a instituição não estava consolidando em seu balanço os fundos de direitos creditórios que detinha.

Fonte: UOL